Ciberataque da Rússia contra Opaq quer minar democracia, diz Otan

Vários países ocidentais acusam a Rússia de ser responsável por diversos ataques cibernéticos contra a Opaq

Zagreb – O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, acusou nesta segunda-feira a Rússia de ter lançado ataques cibernéticos contra a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) como parte de uma série de tentativas de atentar contra a democracia no Ocidente.

“O exemplo da semana passada é sério, já que faz parte de um padrão. Já vimos antes ataques similares dos russos. A Rússia tem táticas híbridas, incluindo as cibernéticas, para se intrometer nos processos democráticos em uma série de países, entre eles membros da Otan, e para atacar a instituições internacionais”, disse o secretário-geral da Otan, após conversar em Zagreb com o primeiro-ministro da Croácia, Andrej Plenkovic, de acordo com a agência de notícias croata “Hina”.

Stoltenberg ressaltou que em resposta a essas atividades, a Otan intensificou os trabalhos de inteligência e investiu mais em sua capacidade cibernética, como parte da maior adaptação da Aliança desde a Segunda Guerra Mundial.

Ele disse estar satisfeito com a participação da Croácia nessa adaptação e com o fato de o país, assim como outros Estados-membros, ter se comprometido a destinar 2% do seu PIB à Defesa. O secretário-geral da Otan chegou hoje a Zagreb depois de visitar Belgrado. Amanhã ele irá à Eslovênia.

Nos últimos dias, vários países Ocidentais acusaram a Rússia e sua agência de inteligência militar, GRU, de ataques cibernéticos. Na quinta-feira passada, o governo holandês informou que em abril expulsou quatro agentes do GRU que preparavam um ataque cibernético contra a rede de internet da Opaq, cuja sede fica em Haia.