Chinesa Cnooc decide nesta semana se desiste da americana Unocal

<I>Oposição do Congresso americano e os atrasos decorrentes de exigências regulatórias fariam com que a concretização do negócio com a Cnooc demorasse meses a mais do que com a Chevron</I>

A China National Offshore Oil Corporation (Cnooc) deve decidir nesta semana se vai retirar a oferta pela companhia petrolífera americana Unocal Corporation. Segundo observadores ouvidos pelo jornal americano The Wall Street Journal (inclusive um consultor da Cnooc) a chinesa pode desistir da oferta de 18,5 bilhões de dólares pelo controle da Unocal. A possibilidade de transferência de controle de uma companhia americana estratégica para mãos chinesas acirrou os ânimos no Congresso dos Estados Unidos (leia reportagem de EXAME sobre o avanço da economia chinesa).

A americana Chevron também quer levar a Unocal, e ofereceu 17,5 bilhões de dólares para tanto. A menos que a Cnooc eleve sua oferta, os acionistas da Unocal devem aprovar a venda para a Chevron em 10 de agosto. Segundo o Wall Street, apesar de a companhia chinesa oferecer 1 bilhão de dólares a mais, sua oferta seria considerada menos valiosa pelos investidores por causa de fragilidades institucionais e riscos políticos.

A oposição de deputados e senadores americanos e os atrasos decorrentes de exigências regulatórias fariam com que a concretização do negócio com a Cnooc demorasse meses a mais do que com a Chevron. “Os investidores americanos iriam exigir compensação financeira pela demora”, afirma a reportagem.

O presidente executivo e do conselho de administração da Cnooc, Fu Chengyu, teria dado sinais recentes de incerteza em relação ao negócio, comentando com empregados da companhia que riscos políticos não se limitam a países em desenvolvimento ou sacudidos por conflitos armados, mas também se aplicam aos Estados Unidos.