China faz recall de trens-bala, expondo falhas de segurança

Trens são retirados três semanas depois que 40 pessoas morreram em um acidente ferroviário de alta velocidade, que gerou a fúria do público

Xangai/Pequim – A segunda maior fabricante chinesa de trens-bala fará o recall de 54 trens usados na nova linha Pequim-Xangai por motivos de segurança, disse a empresa nesta sexta-feira, em um novo golpe para o sistema ferroviário do país que já sofre de inúmeros escândalos.

O recall dos trens pela China CNR Corp Ltd. ocorre três semanas depois que 40 pessoas morreram em um acidente ferroviário de alta velocidade, que gerou a fúria do público, recebeu uma rara e firme cobertura da mídia e congelou as aprovações para novos projetos ferroviários.

O impulso chinês pelo transporte ferroviário em alta velocidade era mantido até recentemente como um troféu do poder tecnológico pelas autoridades do governo. Agora, tem se tornado um albatroz político, atraindo críticas de muitos cidadãos já bastante frustrados com o atrapalhado Ministério das Ferrovias.

Os sites de microblogs na China, em rápido crescimento, serviram para amplificar o descontentamento público, e o recall atraiu mais vaias no popular site Weibo, do portal de Internet chinês Sina.

“A locomotiva não era do tipo mais avançado, e colocado em uso apenas depois de muitos testes? Então como é que os problemas foram descobertos depois de serem colocados para operar? Que milagre”, publicou um usuário do Weibo.

Autoridades culparam o acidente de julho primeiro em um raio e depois em falhas na tecnologia de sinalização. Mas na sexta-feira, a mídia chinesa citou um investigador dizendo que o acidente também colocava em evidência as falhas em administração que poderiam ter sido evitadas.

“Houve sérios problemas no desenho do sistema que conduziram à falha de equipamentos”, disse Luo Luin, ministro de Administração Estatal em Segurança do Trabalho da China, que está chefiando a investigação.

“Ao mesmo tempo, isso expôs os problemas na resposta de emergência e a administração de segurança depois que as falhas ocorreram”, disse Luo, segundo o Beijing Times.

“Esse foi um grande acidente envolvendo culpabilidade que poderia ter sido totalmente evitado”, acrescentou.