China cresce em ritmo lento em plena guerra comercial com os EUA

As exportações, que haviam resistido em maio ao aumento de tarifa dos EUA, caíram em junho, assim como as importações,que despencaram 7,3%

A economia chinesa cresceu no segundo trimestre em seu ritmo mais lento em quase três décadas, em plena guerra comercial com os Estados Unidos e em um contexto de enfraquecimento da demanda global.

As exportações chinesas caíram em junho (-1,3%). Haviam resistido em maio (+1,1%) apesar dos novos impostos alfandegários que afetaram muitos produtos chineses vendidos aos Estados Unidos.

Quanto às importações, continuaram a cair (-7,3%) muito mais acentuadamente do que esperavam os especialistas entrevistados pela agência Bloomberg (-4,6%). “A contração das exportações para os Estados Unidos se acentuou no mês passado” sob efeito das novas sobretaxas aduaneiras americanas, disse Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics.

Em um contexto de crescente tensões comerciais com Pequim, Washington decidiu em maio aumentar suas tarifas de 10% a 25% sobre produtos chineses importados por 200 bilhões de dólares para forçar Pequim a respeitar os direitos de propriedade intelectual e acabar com as práticas comerciais consideradas desleais.

A China respondeu impondo novas sobretaxas alfandegárias sobre mais de 5.000 produtos americanos em 1º de junho. As exportações são um dos pilares da economia do gigante asiático, que em junho enfrentou baixa demanda doméstica.