Chefões da máfia ‘Ndrangheta são presos em uma caverna

A Polícia italiana prendeu dois chefões da 'Ndrangheta escondidos dentro de uma caverna cheia de armas, debaixo de uma montanha da região da Calábria

Roma – A Polícia italiana prendeu dois chefões da ‘Ndrangheta, a máfia calabresa, escondidos dentro de uma caverna cheia de armas, debaixo de uma montanha da região da Calábria, sul da península.

Giuseppe Ferraro, de 47 anos, e Giuseppe Crea, de 37, figuram na lista dos mafiosos mais procurados da Itália.

“Hoje é um grande dia para a Itália”, comemorou o ministro do Interior, Angelino Alfano.

Ferraro era considerado um criminoso extremamente perigoso e foi condenado por vários assassinatos. Estava foragido há 18 anos.

Crea foi condenado por associação mafiosa e extorsão e fugia da polícia há dez anos.

Os dois viviam em uma caverna em uma floresta, que fica nas montanhas de Maropati, segundo o procurador de Reggio Calabria (sul), Federico Cafiero de Raho.

Segundo a mesma fonte, estavam completamente isolados da sociedade, mas continuavam conduzindo as atividades mafiosas.

A pequena localidade foi fundada no século X por habitantes que tentavam se proteger das incursões dos sarracenos, as tribos do norte da Arábia.

Ferraro também foi acusado de ter encomendado o assassinato do rival Domenico Bonarrigo, dentro da guerra entre clãs para controlar o território.

Segundo a Polícia, em 2013, os capangas de Bonarrigo deram um dos homens de confiança de Ferraro vivo para alimentar os porcos, uma das vinganças mais aterrorizadoras.

De acordo com as imagens divulgadas pela Polícia, o esconderijo tinha tudo o que era necessário para viver e ocultava um verdadeiro arsenal com pistolas, fuzis e metralhadoras.

A temida ‘Ndrangheta foi “o sócio ideal” na Europa do chefão do tráfico mexicano Joaquín “El Chapo” Guzmán, capturado em meados de janeiro no México, segundo Nicola Gratteri, procurador da Calábria responsável pela luta antimáfia.

Para o especialista nessa poderosa organização criminosa, a ‘Ndrangheta tem, praticamente, o monopólio da importação de cocaína para a Europa – cerca de 80% do tráfico.

Uma caverna de 25 metros quadrados

A Polícia decidiu invadir a caverna de madrugada, após um ano de vigilância. Nesse período, confirmaram que, de seu abrigo de 25 metros quadrados, os dois chefes mafiosos lideravam importantes operações e mantinham controle militar do território. Ambos foram surpreendidos quando dormiam. Nem tiveram tempo para recorrer à coleção de armas penduradas nas paredes.

“Sabíamos que era uma operação difícil, mas não imaginávamos que fosse tão perigosa”, comentou o delegado de Polícia, Raffaele Grassi, em entrevista coletiva.

A caverna contava com energia elétrica e televisão, uma cozinha completa com geladeira e um banheiro com água corrente, inclusive quente.

“Libertamos a Calábria de dois fugitivos perigosos. Garantimos as condições mínimas para que a democracia funcione. É uma mensagem para os cidadãos desta região, porque chegou a hora de colaborarem para que as coisas mudem”, concluiu o procurador adjunto Gaetano Paci.