Chefe do exército diz que Irã não quis matar soldados americanos no Iraque

Hossein Salami afirmou ao Parlamento iraniano que o objetivo da investida foi mostrar que podem atingir qualquer ponto que quiserem

O chefe da Guarda Revolucionária, Hossein Salami, compareceu perante o Parlamento iraniano para dar explicações sobre a crise que abala o país e afirmou que o objetivo dos disparos na quarta-feira passada contra alvos americanos no Iraque não era “matar soldados inimigos”.

“Queríamos mostrar que podemos atingir qualquer ponto escolhido por nós”, declarou a respeito dos ataques realizados em resposta ao assassinato em 3 de janeiro pelos Estados Unidos do general Qassem Soleimani em Bagdá.

“Os danos materiais (provocados pelos mísseis), foram apenas para dizer que somos superiores ao inimigo”, acrescentou.

O general foi chamado para testemunhar no Parlamento depois que as forças iranianas reconheceram no sábado que abateram “por engano” um avião civil ucraniano na quarta, poucas horas após os disparos de mísseis contra as bases no Iraque.

As 176 pessoas a bordo do Boeing 737 da Ukraine International Airlines que acabara de decolar de Teerã morreram na tragédia, pela qual o general Amirali Hajizadeh, chefe do setor aeroespacial da Guarda Revolucionária, assumiu a responsabilidade.

A presença de Salami no Parlamento coincidiu com a confirmação pelas autoridades iranianas da breve detenção do embaixador britânico no Irã, Rob Macaire, quando ele deixava uma manifestação no sábado (11), apresentada como uma vigília em memória das vítimas do voo PS752.

Esse protesto estudantil foi dispersado pela polícia. A manifestação foi organizada depois que as autoridades iranianas admitiram que um míssil disparado por um “erro humano” causou a queda na quarta-feirado avião ucraniano em Teerã. As 176 pessoas a bordo, a maioria iranianas e canadenses, morreram.

Embora o governo canadense tenha apontado a tese do míssil desde a quarta à noite, o Irã insistiu na negação até o sábado.

Líderes de diferentes países, começando pelo primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, elogiaram o reconhecimento iraniano, mas pediram uma investigação completa e transparente.

Após o comparecimento do general Salami, o presidente do Parlamento, Ali Larijani, instou as comissões parlamentares encarregadas da segurança e da política externa a examinarem esse “incidente grave” e a estudarem como impedir novos casos.

De acordo com a agência de notícias Isna, Salami detalhou a morte de Qassem Soleimani, chefe das operações externas da Guarda Revolucionária, o exército ideológico do Irã, por um tiro de drone americano em 3 de janeiro em Bagdá.

Além disso, teria mencionado as represálias iranianas a este ataque americano.

Na quarta-feira, o Irã disparou vários mísseis contra duas bases iraquianas com tropas americanas, segundo a Isna.

Neste domingo, oito foguetes, de origem indeterminada, atingiram uma base utilizada por soldados americanos ao norte de Bagdá, sem deixar mortos, segundo fontes militares iraquianas. Quatro iraquianos ficaram feridos.

Em resposta, o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse estar “indignado”. “Essas repetidas violações à soberania do Iraque por grupos opositores ao governo iraquiano devem cessar”, tuitou.

Veja também

– Novos protestos –

Neste domingo à tarde, unidades da polícia de choque, armadas com canhões d’água e porretes, estavam posicionadas ao redor das três universidades do centro de Teerã, segundo constataram jornalistas da AFP.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou o Irã no sábado que “não pode haver outro massacre de manifestantes pacíficos”, aludindo aos protestos de novembro, violentamente reprimidos pelas forças de ordem de acordo com a ONG Anistia Internacional.

As autoridades iranianas confirmaram hoje a breve detenção do embaixador britânico Rob Macaire no sábado, quando uma vigília em homenagem aos mortos do avião ucraniano resultou em um protesto de iranianos enfurecidos contra o regime.

“Ele não foi preso, foi detido como um estrangeiro não identificado que participava de uma manifestação ilegal”, disse o vice-ministro das Relações Exteriores do Irã, Abas Araghchi, acrescentando que foi libertado 15 minutos depois, assim que sua identidade foi confirmada.

O embaixador britânico negou ter participado de manifestações contra as autoridades iranianas.

Em reação às tensões com Londres, entre 100 e 200 pessoas manifestaram na parte da tarde em frente à embaixada britânica em Teerã, queimando uma bandeira britânica, segundo um correspondente da AFP.

Os jornais iranianos deste domingo prestaram homenagem às pessoas que morreram na queda do avião. “Desculpem-se, renunciem”, disse o jornal reformista Etemad.

“Imperdoável”, escreveu o jornal pró-governo, que publicou os nomes de todas as vítimas.

“Desculpas profundas por um erro doloroso”, escreveu o Javan, um jornal próximo à Guarda Revolucionária.