Chefe de Inteligência libanesa é morto em atentado

O atentado com carro-bomba, que deixou vários mortos nesta sexta-feira em Beirute, tinha como alvo o general Wissam Hassan

Beirute – O atentado com carro-bomba ocorrido nesta sexta-feira no centro de Beirute era dirigido contra o chefe de Inteligência da Polícia libanesa, o general Wissam Hassan, que morreu na ação, informaram à Agência Efe fontes policiais.

Hassan tinha comandado as investigações nas quais, em agosto passado, o ex-ministro libanês de Informação Michel Samaha, próximo ao regime sírio, foi acusado de ter planejado assassinatos contra personalidades políticas e religiosas no Líbano.

O principal responsável dos serviços secretos policiais, de 43 anos, tinha chegado na noite desta quinta-feira a Beirute procedente do estrangeiro, segundo a televisão local “LBC”.

Estava previsto que Hassan sucedesse no próximo ano o atual chefe da Polícia libanesa, Ashraf Rifi, quando este se aposenta.

O general assassinado – próximo ao grupo opositor Futuro, de Saad Hariri – estava no ponto de mira de grupos libaneses favoráveis à Síria como o Hezbollah (xiita), que tinham pedido sua renúncia.

Hassan também tinha colaborado nas investigações sobre o assassinato em 2005 do primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, de quem foi seu responsável de segurança, e de outros atentados terroristas dirigidos contra personalidades antissírias.

Segundo a “Agência de Notícias Nacional” libanesa (ANN), pelo menos oito pessoas morreram hoje e outras 78 ficaram feridas pela explosão de um carro-bomba no bairro de Al Ashrafiya, no centro de Beirute.

A instabilidade aumentou nos últimos meses no Líbano como consequência do contágio da crise na Síria, palco de atentados e confrontos entre partidários e opositores do regime do presidente sírio, Bashar al Assad.