Che Guevara, um ícone para o que sobrou da esquerda latina

ÀS SETE - Há 50 anos, o guerrilheiro era preso e morto por soldados bolivianos a serviço da CIA; hoje Bolívia e Cuba relembram importância do político

Há 50 anos, o guerrilheiro Ernesto Che Guevara era preso e morto por soldados bolivianos a serviço da CIA. Hoje, a Bolívia o trata de maneira diferente: o presidente do país, Evo Morales, um dos poucos mandatários de esquerda que sobraram no continente, lidera uma procissão na cidade de La Higuera, onde Che foi morto, ao lado de companheiros de guerrilha de Che, Leonardo Tamayo e Harry Villegas, familiares e políticos, como o vice-presidente venezuelano Tarek el Aissami.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Em Cuba, onde a revolução de Che acabou por instalar o regime dos Castro no poder, milhares foram às ruas saudar a memória do guerrilheiro, finalizando uma semana de eventos comemorativos à sua memória.

Na Bolívia, o evento do governo realizado hoje é o último de uma série que incluiu debates, fóruns, filmes e atividades culturais em memória a Che.

Quando capturado, o estado físico do guerrilheiro argentino era tão deplorável que foi reconhecido por uma cicatriz na mão, ao invés de sua fisionomia, já que não parecia nada com suas fotografias. Ele estava em fuga há meses, sem contato ou suporte do governo cubano, na missão de exportar a revolução para a Bolívia.

O líder da tropa que o prendeu, Gary Prado Salmón, perguntou por que Che havia vindo para a Bolívia, já que o próprio guerrilheiro havia escrito que era muito difícil fomentar a revolução em um país democrático.

A Bolívia, à época, tinha elegido um presidente no ano interior e implementado uma reforma agrária com relativo sucesso — motivo pelo qual os fazendeiros locais não confiavam no grupo de revolucionários. Che disse que a decisão de vir ao país sul-americano não era sua, mas de outros escalões do regime castrista.

Naquela época, uma empreitada de Che no Congo havia falhado em instalar uma nova revolução e ele havia se afastado da liderança do exército cubano, o que o deixou isolado no cenário político de Cuba. À época, o regime de Fidel Castro havia se alinhado à União Soviética na promoção de uma coexistência com o poderio norte-americano.

Che, que advogava pela ação direta revolucionária, já não se enquadrava mais no comunismo da época. Che se tornaria então um mártir do comunismo, e um dos revolucionários mais criticados por opositores. Nesta segunda-feira, é um renovado símbolo de luta para o que sobrou da famigerada esquerda na América Latina.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Thiago Pestana

    Só na America Latina, com totalidade de países subdesenvolvidos pra um DITADOR assassino ser considerado herói.

    1. Bem isso! Guevara era um lixo.

  2. Antonio Jorge Reis

    O repórter, capcioso insere uma frase ali no meio “a serviço da CIA”, mas não deixa a mínima referencia que prove, ou ao menos sugira uma fonte onde possamos confirmar a sua afirmação.
    Deve ser só palpite mesmo. E palpite em reportem séria, da Abril, da Exame, não serve pra nada, a não ser para diminuir o calibre da credibilidade.