Chávez quer assumir controle político de bancos privados

Governo venezuelano pretende colocar dois representantes na cúpula dos maiores bancos privados do país

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, prepara um pacote de medidas para assumir o controle político de alguns bancos privados, a fim de ampliar a interferência seu “governo revolucionário” sobre a economia do país, quinto maior exportador mundial de petróleo.

Segundo o americano The Wall Street Journal, o superintendente do sistema bancário venezuelano, Trino Alcides Diaz, tem declarado em conversas particulares que Chávez pretende colocar dois representantes do governo no conselho de administração de alguns bancos. Entre as instituições visadas, estão o Banco Santander e o BBVA, que controlam, respectivamente, o Banco de Venezuela e o Banco Provincial, dois dos maiores grupos financeiros do país. O Banco Mercantil e o Banesco também podem entrar na lista.

Para o jornal, a tentativa de Chávez aumentar sua influência sobre o sistema financeiro por meio da imposição de representantes do governo, em vez de comprar uma parcela das instituições, é uma das facetas do que o presidente venezuelano descreve como “socialismo do século 21”.

Especialistas afirmam que, se instalados nas cúpulas dos bancos, os emissários de Chávez tenderão a decidir a liberação de crédito movidos por interesses políticos e não por fatores financeiros.