Chanceler venezuelano diz que Mercosul é poderoso bloco

O objetivo, segundo Maduro, é diversificar a economia e buscar a igualdade financeira entre os "nossos irmãos” da região

Brasília – A menos de uma semana da cerimônia que vai oficializar a incorporação da Venezuela ao Mercosul, o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Nicolás Maduro, disse hoje (25) que a iniciativa vai transformar o grupo em “um poderoso bloco econômico”.

O objetivo, segundo Maduro, é diversificar a economia e buscar a igualdade financeira entre os “nossos irmãos” da região. A cerimônia está marcada para o dia 31 em Brasília.

“Será um poderoso bloco econômico com a incorporação da Venezuela ao Mercosul. Com a Venezuela, virão a força energética, o petróleo e a petroquímica”, disse o chanceler. “É uma grande oportunidade para alcançar um objetivo, o da diversificação econômica com os nossos irmãos do Mercosul”, acrescentou.

Maduro lembrou ainda que a incorporação da Venezuela ao Mercosul foi natural devido ao desenvolvimento das relações com o Brasil e a Argentina. “[O Mercosul] é um projeto que nasceu para ir para um processo de integração sul-americana, uma integração econômica, crescimento e conjunto complementar”, disse ele.

Integrante da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), a Venezuela sob o comando do presidente Hugo Chávez aguarda há mais de 6 anos para ingressar no Mercosul. Após posicionamento favorável dos outros sócios do bloco, a decisão dependia de manifestação do Paraguai. No entanto, o Congresso paraguaio simplesmente não aprovava a adesão venezuelana. Com o país suspenso do bloco, houve a decisão de incorporação.

No final de junho, quando foi anunciada a incorporação da Venezuela no bloco, Chávez comemorou a decisão. Na ocasião, disse que foi “uma derrota do imperialismo”. O Mercosul é formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai – temporariamente suspenso por decisão unânime dos demais países do bloco, como resposta à destituição do então presidente Fernando Lugo.