Centrais sindicais promovem atos contra terceirização

Protestos são contra projetos que estão em tramitação no Congresso que tratam da terceirização e da alteração de alguns benefícios trabalhistas

São Paulo – A Central Única dos Trabalhadores (CUT), além de outras seis centrais sindicais, faz na manhã desta sexta-feira, 29, uma série de manifestações conjuntas em diversas cidades contra os projetos que estão em tramitação no Congresso que tratam da terceirização e da alteração de alguns benefícios trabalhistas. A ideia da CUT é que os atos antecedam uma greve geral.

MST

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) ocupa várias agências e superintendências da Caixa Econômica Federal, responsável pela gestão dos recursos para moradia popular no País.

O movimento exige o lançamento imediato do Programa Minha Casa Minha Vida 3 e as verbas para moradia, contingenciadas pelo ajuste fiscal.

O Ministério das Cidades, responsável pelos investimentos em moradia e urbanização, foi o mais afetado no corte de R$70 bilhões anunciado na última semana.

Pontos de ocupações de superintendências e agências da Caixa:

São Paulo – Praça da Sé (SR Central); Masp (SR Av. Paulista); Osasco; Praça do Taboão; Praça do Embu; Praça de Itapecerica (Agência central de Itapecerica).

Rio de Janeiro – Caixa de Niterói.

Goiás – Caixa de Goiânia.

São Paulo

São Paulo tem ao menos quatro interdições por causa das manifestações convocadas pela CUT e centrais sindicais: A Marginal do Pinheiros segue com duas faixas ocupadas, no sentido da Rodovia Castelo Branco; A Avenida Afrânio Peixoto está totalmente interditada por manifestantes, perto da Rua Alvarenga; A Ponte das Bandeiras tem duas faixas interditadas no sentido bairro, na altura da Avenida Santos Dumont; A Estrada do M’Boi Mirim está totalmente bloqueada no sentido do Centro, perto da Rua José Barros Magaldi.

Alunos e funcionários da Universidade de São Paulo (USP) também participam do Dia Nacional de Paralisação e Manifestações nas imediações da faculdade, na zona oeste da capital.

Guarulhos

Em Guarulhos, na Grande São Paulo, todas as linhas municipais operadas por empresas estavam paralisadas no início da manhã desta sexta-feira, 29. Apenas cooperativas circulavam.

O movimento também afetou linhas intermunicipais do Consórcio Internorte da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

Coletivos de outros consórcios operavam normalmente, além de micro-ônibus da Reserva Técnica Operacional (RTO) da EMTU, que estavam superlotados.

Na Praça do Estudante, na região central da cidade, um funcionário da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito avisava aos passageiros que permaneciam no ponto sobre a paralisação e pedia paciência.

Curitiba

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a BR 376, em Curitiba, está interditada por manifestantes Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

ABC

Motoristas e cobradores de ônibus do ABC Paulista e de Guarulhos cruzaram os braços na madrugada desta sexta-feira. A paralisação atingiu passageiros de ônibus das sete cidades do ABC Paulista e de Guarulhos, na Grande São Paulo. Os ônibus pararam por volta de 3h30 e voltaram a circular por volta de 8h.

Belo Horizonte

Os metroviários de Belo Horizonte resolveram aderir completamente à greve geral organizada pela CUT em todo o País e não há trens circulando nesta sexta-feira.

A ação desrespeita decisão do Tribunal Regional do Trabalho em Minas Gerais (TRT-MG) de que haja escala mínima com 50% dos trens circulando, com pagamento de multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento.