Centenas de voos são afetados em Xangai em poucos dias

Cerca de 200 voos foram cancelados desde segunda e outros 120 sofreram atrasos em Xangai, sem muitas explicações por parte das autoridades

Xangai – Cerca de 200 voos foram cancelados desde segunda-feira nos dois aeroportos comerciais de Xangai, e outros 120 sofreram atrasos de mais de duas horas, o que ocorre pela segunda vez em uma semana, sem que as autoridades aeroportuárias tenham dado mais explicações do que uma “restrição do tráfego aéreo”.

A situação, similar a outra ocorrida em 2006, é idêntica à vivida nos dias 14 e 15 de julho, também segunda-feira e terça-feira, quando as autoridades admitiram que houve uma centena de voos que tinham como origem ou destino Xangai, e que foram atrasados ou cancelados por motivos ligados ao mau tempo e ao “controle do tráfego aéreo”.

Neste mês, cerca de 800 voos foram afetados em Xangai por estes motivos.

Uma funcionária da Autoridade Aeroportuária de Xangai (SAA), que administra os aeroportos comerciais de Pudong e Hongqiao, disse à Agência Efe que a situação hoje “melhorou um pouco”, embora sem reconhecer o número de atrasos e cancelamentos de ontem, alegando que cada companhia aérea cuida de seus próprios voos.

De maneira similar, e apesar de que em ambos casos o número anormal de atrasos e cancelamentos foi divulgado pela imprensa local, na semana passada um membro da equipe de imprensa da SAA chegou a assegurar à Efe não saber nada sobre o assunto, nem sequer pôde confirmar se tudo funcionava com normalidade.

Em ambos casos, como ocorreu no passado perante situações muito similares com o espaço aéreo local, não houve uma confirmação oficial do motivo, mas tudo parece indicar que se deve a manobras da Força Aérea no céu de Xangai, sob jurisdição do Comando Militar de Nankín.

Na China, o espaço aéreo é a última instância de controle militar, embora seja cedido seu uso na maioria para a aviação civil, por isso que o Exército Popular de Libertação tem direito a fechar a parte que considere necessária em qualquer momento.

Isto é o que os meios de comunicação, como o próprio jornal oficial “Shanghai Daily”, organismo de divulgação do governo de Xangai, especulam hoje para explicar os 101 cancelamentos registrados ontem em Pudong e os outros 98 de Hongqiao.

A SAA disse a este meio que os motivos foram as “restrições do tráfego no espaço aéreo próximo a Xangai”.

De fato, a companhia aérea estatal China Eastern chegou a explicar que foi afetada porque “o espaço aéreo foi ocupado”, embora não tenha dado mais detalhes.