Catar condena vetos e diz não ver legitimação em banimento

Mais cedo, algumas nações do mundo árabe decidiram cortar todas as relações diplomáticas com o país

Londres – O reino do Catar condenou nesta segunda-feira o corte unilateral de laços diplomáticos de nações árabes e disse não ver “justificativa legítima” para a posição dos países.

“A decisão é uma violação da nossa soberania e esperamos que não afete os nossos cidadãos”, afirmou, em nota, o Ministério das Relações Exteriores do país.

Mais cedo, quatro nações do mundo árabe – Arábia Saudita, Egito e Emirados Árabes Unidos e Bahrein – decidiram cortar todas as relações diplomáticas com o reino do Catar.

A decisão foi após acusações feitas pelos países de que a monarquia do Catar estaria trabalhando para promover a instabilidade na região, além de financiar grupos terroristas.

Um dos governos interinos da Líbia e o governo reconhecido pela comunidade internacional do Iêmen também seguiram cortaram relações com o país.

As tensões entre os países árabes têm ganhado força nos últimos meses, com crescentes acusações por parte da Arábia Saudita de que o governo de Doha apoiaria a instabilidade na região, além de promover uma aproximação indesejada com o Irã, força antagonista aos sauditas na região.

No último dia 27, o emir do Catar, Tamim bin Hamad Al Thani, parabenizou o presidente iraniano Hasan Rouhani pela sua reeleição – o que foi visto como uma afronta.

As quatro nações árabes também planejam cortar o acesso terrestre (feito apenas pela fronteira com a Arábia Saudita) e o tráfego marítimo e aéreo com o Catar.

As companhias aéreas Emirates e Etihad, dos Emirados Árabes Unidos, suspendeu os voos para Doha.

A FIFA informou que “mantém contato regular com o Catar” e que não fará comentários a respeito do corte de relações diplomáticas. O país será a sede da Copa do Mundo de Futebol de 2022. Fonte: Associated Press.