Catalunha encerra campanha para eleições regionais

Os separatistas esperam alcançar uma vitória esmagadora para lançar a pedra fundamental para a independência da Espanha

A Catalunha se aproximava de seu momento decisivo com o encerramento, nesta sexta-feira, da campanha para as eleições regionais de domingo, em que os separatistas esperam alcançar uma vitória esmagadora para lançar a pedra fundamental para a independência da Espanha.

No papel, são apenas algumas eleições regionais para renovar o parlamento desta região industrial do nordeste da Espanha, de 7,5 milhões de pessoas, entre os Pirinéus e o Mediterrâneo.

Mas durante as duas semanas da campanha, líderes nacionais desembarcaram na Catalunha, começando pelo chefe de governo conservador Mariano Rajoy.

O presidente regional, o separatista Artur Mas, visa transformar a votação em um referendo a favor ou contra de uma nova República Catalã em 2017, aumentando a tensão com Madri.

Após um século de divergências e tensões mais ou menos intensas com Madri pela língua – reprimida durante a ditadura de Francisco Franco (1939-1975) – e da fiscalidade, a paciência de muitos catalães acabou com a crise econômica.

Irritados com a invalidação parcial em 2010 pelo Tribunal Constitucional de uma lei regional que dava mais poderes ao governo regional, os nacionalistas pedem em vão desde 2012 um referendo de autodeterminação.

Dada a rejeição do governo de Rajoy, decidiram organizar um simbólico em novembro passado. Sem reconhecimento oficial, conseguiram 1,9 milhão de votos a favor da independência, de um total de 2,3 milhões de participantes.

Agora buscam uma maioria no parlamento regional (68 de 135), para lançar um processo de independência.

Os bancos, empregadores e mercados estão preocupados com as consequências na economia espanhola, que depois de uma longa crise começa a avançar, com um crescimento esperado de 3,3% em 2015.

Sem a Catalunha, o país perderia 25% de suas exportações, 19% do PIB, 16% da sua população, sua principal porta de entrada para a Europa e sua região mais turística.

Rajoy insistiu que “a Catalunha não será independente” e pediu uma votação “responsável”.

Seus ministros não pararam de lançar advertências: uma secessão significaria a saída da União Europeia, uma taxa de desemprego de 37% e uma queda de 44% das pensões e aposentadorias.

“Estão nos empurrando para um abismo onde não quero cair”, declarou Gregorio Parra, um pensionista de Barcelona de 69 anos.

Em contrapartida, a coalizão pró-independência “Juntos pelo Sim”, que reúne conservadores, progressistas e associações civis, apela para a ilusão de um Estado “mais próspero, mais justo e mais limpo”.

As últimas pesquisas apontam uma maioria separatista parlamentar, que receberiam 50% dos votos. Mas de acordo com Jose Pablo Ferrandiz, do instituto Metroscopia, apenas 20 ou 25% dos catalães são realmente a favor da independência.

Muitos querem lançar um “alerta”, que “permitirá uma melhor posição para negociar” mais autonomia, diz.

Muito dependerá do “pós 27-S”. Em entrevista à AFP, Artur Mas reconheceu que ainda era possível negociar um novo referendo. No entanto, se obtiverem a maioria dos votos, “o referendo já terá sido feito”, disse

A chave estará com o governo formado após as eleições parlamentares de dezembro, onde Rajoy poderia perder o poder.