Casa Branca diz haver consenso para cortar US$ 1,5 tri

Obama não especificou se os cortes são referentes a gastos ou ao déficit orçamentário norte-americano

Washington – O governo do presidente Barack Obama e os líderes do Congresso dos EUA chegaram a um acordo preliminar sobre como lidar com a situação fiscal do país, de acordo com informações divulgadas pelo secretário de imprensa da Casa Branca, Jay Carney. Ele mencionou que há consenso sobre US$ 1,5 trilhão em cortes, mas não especificou se os cortes são referentes a gastos ou ao déficit orçamentário norte-americano.

“A Casa Branca deixou claro numa apresentação ontem que há cortes significativos, de US$ 1,5 trilhão, com os quais todos podem concordar”, afirmou Carney durante entrevista à imprensa nesta quinta-feira. Ele acrescentou que os cortes são “reais e significativos”.

Obama e líderes congressistas devem se encontrar na noite de hoje para debaterem novamente sobre a redução no déficit do país e elevar o limite de endividamento dos EUA. Carney disse que na reunião os partidos Republicano e Democrata discutirão como fazer economias “razoáveis” na áreas de saúde e por meio do código tributário.

Segundo Carney, Obama ainda quer encontrar mais possibilidades de cortes e acredita que isso será possível se as pessoas estiverem dispostas a participar e se comprometerem, não favorecendo nem servindo a segmentos de seu próprio círculo eleitoral.

Ontem, o líder da maioria republicana na Câmara dos Representantes, Eric Cantor, afirmou que estava “desanimado” com o tamanho decrescente dos cortes de gastos propostos, dizendo que eles nem sequer totalizam US$ 1,4 trilhão. As informações são da Dow Jones.