Casa Branca devolve credencial a repórter da CNN após disputa judicial

Disputa entre emissora e governo dos EUA teve início após uma discussão durante uma coletiva de imprensa dada por Trump no dia 7 de novembro

A Casa Branca anunciou nesta segunda-feira, 19, que tomou uma decisão final de restabelecer a credencial de imprensa do repórter da CNN Jim Acosta, encerrando uma disputa judicial, informou a emissora.

A decisão acontece três dias depois de um juiz em Washington determinar que o governo do presidente Donald Trump restabelecesse temporariamente a credencial do jornalista, revogada após uma entrevista coletiva controversa com Trump.

A decisão reverte uma carta de sexta-feira da Casa Branca em que afirma que a credencial de Acosta poderia ser revogada novamente depois que a decisão temporária do juiz vencesse. Mais cedo, a CNN pediu a um tribunal federal que sejam realizados procedimentos emergenciais após a posição inicial da Casa Branca de que iria novamente revogar a credencial de Acosta.

A credencial de Acosta foi revogada após Trump tê-lo acusado de ser uma pessoa “rude e terrível” durante uma entrevista coletiva no último dia 7 de novembro. A CNN desafiou a medida na Justiça e na sexta-feira ganhou uma decisão que restabeleceu temporariamente a credencial de Acosta enquanto a corte avalia o processo da rede de notícias sobre a expulsão do jornalista.

Em um pedido na segunda-feira, a CNN e Acosta pediram o adiantamento de uma audiência na semana que vem depois que autoridades de comunicação da Casa Branca disseram à Acosta em uma carta na noite de sexta-feira que já haviam decidido pela suspensão de sua credencial depois do fim das duas semanas previstas pela ordem de restrição temporária.