Capriles lembra que voto é secreto e rebate ameaça de Maduro

O líder opositor acrescentou que as declarações de Maduro têm como objetivo amedrontar a população

O líder opositor venezuelano, Henrique Capriles, afirmou nesta sexta-feira que o voto é secreto, rebatendo as advertências do presidente Nicolás Maduro de que o governo tem a identificação dos 900 mil eleitores que não votaram nele em 14 de abril.

“Todos sabemos que o voto é secreto e, além disso, quase um milhão de seguidores do presidente Chávez votaram no ‘flaco’ (como Capriles é conhecido). (…) Se esse cavalheiro diz que ele sabe quem não votou nele, então está dizendo que a eleição é fraudulenta, porque a lei diz que o voto é secreto”, disse Capriles a uma multidão, durante uma assembleia no estado Anzoátegui (leste).

Ele acrescentou que as declarações de Maduro têm como objetivo amedrontar a população. “Nosso povo pode ficar tranquilo, porque fazem isso para ver quem, entre aqueles que trabalham em instituições do Estado ou estão em um programa social do governo, cai na armadilha para depois se lançarem contra eles”, denunciou.

Na quinta-feira à tarde, o presidente Maduro advertiu que sabe a identidade dos que não votaram nele: “900.000 compatriotas, já sabemos, com carteira de identidade e tudo”.

“Ninguém sabe em quem você votou”, insistiu Capriles, que ainda não reconheceu os resultados da eleição presidencial, da qual Maduro saiu vencedor com uma estreita margem de 1,49%.