Candidatos negros disputarão três governos dos 50 estados americanos

Ao longo da história o país, apenas dois governadores negros foram eleitos e atualmente, nenhum dos 50 estados conta com um governador negro

Washington – Nenhum dos 50 estados dos Estados Unidos conta com um governador negro, mas esse cenário pode mudar nas eleições de novembro graças a candidatos do Partido Democrata que tentam abrir espaços na Flórida, na Geórgia e em Maryland.

Embora ao longo da história o país tenha contado com dois governadores negros – ambos no século XXI -, nenhum político afrodescendente ocupa agora o mais alto cargo executivo estadual em nenhum dos territórios americanos.

Ben Jealous venceu as primárias democratas de Maryland, derrotando outros sete candidatos, e pode rrepetir seu triunfo no pleito legislativo de novembro, onde além de serem renovadas as 435 cadeiras da Câmara dos Representantes, serão eleitos um terço do Senado e alguns governadores.

Da mesma forma que Jealous, que desde muito jovem se dedicou ao ativismo em defesa dos direitos dos negros, Stacey Abrams também ganhou as primárias para o governo democrata no estado da Geórgia, o que pode transformá-la na primeira mulher afro-americana a ser governadora de um estado nos EUA.

Maryland e Geórgia compartilham, além disso, uma forte presença de população latina, que se tornou o núcleo de apoio conquistado por Jealous e Abrams.

Essa tendência é ainda mais presente na Flórida, com Andrew Gillum, prefeito da capital estadual, Tallahassee.

Gillum, que nesta terça-feira terá pela frente uma das primárias mais disputadas, que conta com outros quatro candidatos democratas, defendeu durante sua campanha os interesses da classe trabalhadora e os direitos dos imigrantes, criticando duramente o governo do presidente Donald Trump.

Apesar da grande população latina que vive na Flórida, nenhum dos candidatos ao cargo, nem republicanos nem democratas, tem essa origem, mas Gillum fez da defesa do imigrante parte da sua bandeira política.

“Os imigrantes fortalecem nossa sociedade e desempenharam um papel vital na Flórida, que se tornou um dos principais estados para a economia da União. Sou o único candidato para governador que se opôs tanto às políticas de Trump como às de (o atual governador da Flórida, o republicano) Rick Scott contra os imigrantes”, afirmou Gillum à Agência Efe.

“Donald Trump transformou o ICE (Serviço de Imigração e Alfândegas) em uma agência policial de separação de crianças, não em uma agência de controle de fronteiras que trata as pessoas de forma humana e compassiva”, acrescentou o candidato em relação às duras políticas implementadas pelo presidente americano contra os imigrantes que chegam pela fronteira sul.

É por isso que alguns grupos latinos da Flórida estão se unindo ao redor de Gillum para impulsionar sua candidatura, com a esperança de que ele ganhe as primária e a que, através dele, a comunidade latina também possa sentir que seus interesses estão sendo reconhecidos.

“Os eleitores têm a oportunidade de fazer história nestas eleições, ao escolher o prefeito Andrew Gillum como o primeiro governador negro da Flórida”, afirmou à Efe Tomas Kennedy, diretor político da Coalizão Imigrante da Flórida (FLIC, na sigla em inglês).

Kennedy lembrou que a tarefa do prefeito de Tallahassee à frente da capital demonstra que ele “está ao lado dos imigrantes”, como o fato de ter declarado a cidade como “santuário”, forma como são conhecidos os municípios que se negam a colaborar com as autoridades federais para deportar imigrantes ilegais.

“Acreditamos que, com Andrew como governador, os imigrantes na Flórida terão um defensor lutando no seu nome”, destacou o diretor da FLIC.