Canadá não paga resgates por reféns, afirma Trudeau

Segundo o primeiro-ministro, o país "não paga e não pagará resgates" pela libertação de seus cidadãos sequestrados

O Canadá “não paga e não pagará resgates” pela libertação de seus cidadãos sequestrados – manifestou o primeiro-ministro Justin Trudeau, nesta terça-feira, após a execução de um canadense pelo grupo extremista filipino Abu Sayyaf.

O grupo mantém ainda outro canadense e um norueguês em seu poder.

Um dia depois de anunciar a execução de John Ridsdel, mantido refém desde 21 de setembro passado, Trudeau ressaltou que este “ato injusto” não muda em nada a posição de seu governo a respeito dos sequestros.

Obter o pagamento de um resgate constitui “uma fonte significativa de financiamento para as organizações terroristas“, o que “poria em risco a vida de milhões de outros (canadenses) que viajam pelo mundo todo ano”, enfatizou o premiê.

Abu Sayyaf exigiu a entrega de 20 milhões de euros pela libertação dos três reféns.