Cameron diz que não renunciará se Escócia ficar independente

David Cameron disse que não renunciará se o "sim" for o vencedor do referendo de independência escocês

Londres – O primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, afirmou nesta quarta-feira que não renunciará se o “sim” for o vencedor no plebiscito sobre a independência da Escócia, que será realizado amanhã.

Em entrevista à imprensa enquanto visitava uma fábrica na cidade de Fleet, no sul da Inglaterra, Cameron disse que seu nome não aparece na cédula de votação e que seu futuro será decidido nas eleições gerais de 2015.

“Meu nome não está na cédula. O que está na cédula de votação é se a Escócia quer ficar no Reino Unido ou a Escócia quer se separar do Reino Unido”, afirmou o primeiro-ministro.

“Essa é a única pergunta que se decidirá na noite de quinta-feira. A questão sobre meu futuro será decida nas eleições gerais britânicas que chegarão em breve”, disse.

Alguns analistas sustentam que a posição do primeiro-ministro pode ser muito difícil e ele poderia se ver a obrigado a renunciar se a opção a favor da independência vencer, pois em 2012 Cameron chegou a um acordo com o primeiro-ministro do governo autônomo da Escócia, Alex Salmond, para realizar o histórico plebiscito.

Cameron admitiu hoje, no entanto, que está “nervoso” antes da votação, mas garantiu que acredita na vitória do “não”.

“Certamente que todos os que gostam do Reino Unido, e me importo com paixão sobre o que se passe no Reino Unido, estão nervosos”, afirmou o primeiro-ministro.

Três novas pesquisas divulgadas recentemente sobre intenções de voto deram uma ligeira vantagem ao “não”.

Todos os moradores da Escócia maiores de 16 anos foram convocados para votar amanhã e responder com um “sim” ou um “não” se querem uma Escócia independente do Reino Unido.