Cameron apresenta ao Parlamento acordo para não sair da UE

Segundo o jornal The Times, metade dos 330 deputados conservadores darão as costas a Cameron

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, apresentará nesta segunda-feira, no Parlamento, o acordo para que o Reino Unido permaneça na União Europeia, mas depende da vontade de seus próprios colegas conservadores, que agem, muitas vezes, como oposição.

O prefeito de Londres, Boris Johnson, com quem Cameron estudou no colégio e na universidade, e um dos políticos mais cotados para suceder o premier, anunciou no domingo que apoia o chamado “Bretix”, a saída do Reino Unido.

“Eu farei campanha pela saída da União Europeia”, anunciou Boris Johnson em um discurso em frente a sua casa em Londres, ressaltando, no entanto, que não irá participar de debates televisionados contra seu partido.

Segundo o jornal The Times, metade dos 330 deputados conservadores darão as costas a Cameron.

O jornal The Guardian afirma, por sua vez, que apenas os militantes conservadores de duas de suas 70 delegações locais estão a favor de continuar na UE.

Em um artigo publicado nesta segunda-feira pelo The Daily Telegraph, Johnson explica que o referendo “é uma oportunidade única na vida de realizar mudanças reais” nas relações de Londres com seus vizinhos europeus.

Cameron começou no sábado o desafio de convencer seus ministros e a população britânica em geral da conveniência de votar em favor da permanência do país na União Europeia, anunciando a realização do referendo em 23 de junho.

No dia seguinte ao acordo em Bruxelas, o líder britânico reiterou que o Reino Unido será “mais forte, mais seguro e mais próspero dentro de uma União Europeia reformada”, durante uma breve alocução em Downing Street.

Segundo Cameron, a consulta será “uma das decisões mais importantes deste país”, e, defendendo o “sim”, o premiê britânico ressaltou que as concessões obtidas por ele dos líderes europeus na sexta-feira darão ao país “o melhor dos dois mundos”.

“Deixar a Europa ameaçaria a nossa segurança econômica e nacional”, sustentou o líder conservador.

O anúncio da data marcou o início de uma campanha difícil. De acordo com pesquisas, a metade dos britânicos deseja continuar na União e a outra metade abandoná-la.

Em todo o caso, o chefe de Governo defenderá vigorosamente o “sim” e explicou que, no âmbito do acordo, o Reino Unido não terá que financiar os países da zona euro que atravessam problemas; suas empresas não serão discriminadas por não utilizarem o euro; terão novos poderes para deportar criminosos europeus que entrarem no país e poderão limitar a sete anos alguns benefícios sociais aos imigrantes.

A imprensa britânica de direita não parecia muito convencida a respeito do acordo obtido.

Segundo The Times, Cameron “não tem muita escolha a não ser voltar aos velhos argumentos sobre os interesses britânicos de tentar reformar a Europa internamente, em vez de submeter-se aos rigores desconhecidos da independência total”.