Brexit: Parlamento votará a possibilidade de novo referendo

Nesta quinta-feira, o Parlamento votará 4 emendas à moção que visa prorrogar o Brexit e uma delas pode reverter o divórcio com o bloco

Londres — O presidente da Câmara dos Comuns do Reino Unido, John Bercow, selecionou nesta quinta-feira quatro emendas à moção apresentada pelo governo britânico para prorrogar o Brexit, sobre as quais os deputados se pronunciarão esta tarde.

A iniciativa proposta pelo governo da conservadora Theresa May afirma que solicitará à União Europeia (UE) um adiamento de três meses se, até 20 de março, o parlamento tiver apoiado o seu acordo.

Se os deputados rejeitarem esse documento pela terceira vez, então o governo solicitará um adiamento maior, que o bloco comunitário deve aprovar por unanimidade, e que obrigará o Reino Unido a participar das eleições europeias de maio.

As quatro emendas que Bercow selecionou hoje têm como objetivo modificar os termos dessa moção em diferentes sentidos.

A emenda apresentada pela deputada do recém-criado Grupo Independente, Sarah Wollaston, planeja uma extensão do Artigo 50 do Tratado de Lisboa para dar tempo para realizar um segundo referendo sobre o Brexit.

O parlamentar trabalhista Hilary Benn, por sua vez, propôs uma cláusula que estabelece que a quarta-feira, 20 de março, deve ser reservada para um debate que inicie o processo para permitir que os deputados votem sobre as diferentes alternativas do Brexit.

O Partido Trabalhista apoia de forma oficial outra iniciativa que diz que o Artigo 50 deve ser estendido para dar tempo para que os deputados formem uma maioria para encarar o Brexit.

Em quarto lugar, Bercow selecionou a emenda apresentada pelo também trabalhista Chris Bryant, que solicita que May não possa voltar a apresentar o seu acordo na Câmara dos Comuns.

Está previsto que as votações comecem às 19h GMT (16h em Brasília), ao término do debate em Westminster sobre o adiamento do Brexit, que desponta como a única opção depois que o Parlamento rejeitou ontem e anteontem o acordo e a saída da UE sem um pacto.