Brexit avança, mas só da fronteira para fora

ÀS SETE - Conselho Europeu se reúne hoje em Bruxelas para decidir se já foi feito progresso suficiente nas primeiras fases das negociações

Mais um passo rumo ao Brexit pode ser dado nesta sexta-feira. O Conselho Europeu se reúne em Bruxelas para decidir se já foi feito progresso suficiente nas primeiras fases das negociações.

É esperado que os 27 membros do bloco europeu concordem que progresso foi feito quanto aos primeiros assuntos da rodada de negociações, como a divisa com a Irlanda, a multa a ser paga pelo Reino Unido, um valor que deve beirar os 60 bilhões de euros, e os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Se assim for, os negociadores de ambas as partes podem começar a negociar, em janeiro, sobre o período de transição e a relação do Reino Unido com a União Europeia depois da saída — um ponto polêmico da pauta e que ainda não incluirá as trocas, um assunto que só deve ser tocado em março, a um ano da aprovação do projeto final.

O prazo é curto para aprovar uma dezena de diretrizes que irão definir o futuro das relações entre o bloco e o Reino Unido.

Os britânicos e os membros do comitê europeu conseguiram chegar a um acordo sobre as questões iniciais, garantindo os mesmos direitos aos europeus que estão na Grã-Bretanha, além de não delimitar uma fronteira dura com a Irlanda e também honrar os compromissos financeiros feitos pelo bloco. Mas a pauta só começa a piorar a partir de agora.

A primeira ministra Theresa May tem pressa para discutir os assuntos comerciais e novos acordos de troca com a União Europeia.

Na noite de ontem, em um jantar com lideranças do partido Conservador, “ela foi clara sobre seguir para as conversas de acordos comerciais o mais rápido possível”, disse um oficial do governo britânico.

“Não é segredo que quero ir para a próxima fase e abordá-la com ambição e criatividade”. Apesar disso, May teve uma derrota no parlamento, que ontem aprovou uma lei que garante ao legislativo um voto final sobre o acordo firmado com Bruxelas. Algo que pode azedar as conversas e deixar os europeus desconfiados.