Brasil apóia sem restrições entrada da Rússia na OMC

Governo brasileiro não deve condicionar apoio à liberação das exportações de carne para a Rússia

Durante sua visita ao Brasil, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, deve receber o apoio incondicional do governo brasileiro ao pleito russo de ingressar na Organização Mundial do Comércio (OMC). Setores empresariais pressionam o presidente Luiz Inácio Lula da Silva a vincular o apoio à maior abertura da Rússia às exportações brasileiras de carne, mas, em ocasiões recentes, os membros do governo declararam que a reivindicação russa é justa e deve ser apoiada sem restrições.

Há duas questões em torno da carne. A primeira é o embargo à exportação brasileira, imposto pela Rússia em setembro, quando foi descoberto um foco de febre aftosa no Amazonas. Segundo o Itamaraty, o tema está sendo tratado por uma missão russa que desembarcou na semana passada no país, chefiada pelo diretor do serviço federal de supervisão fitossanitária, Sergei Dankvert.

A segunda é a pressão dos pecuaristas para que os russos aumentem sua importação de carne do Brasil. O Itamaraty informou que este assunto está sendo discutido na OMC. A Rússia mantém acordos comerciais com a União Européia e com os Estados Unidos, pelos quais 90% das importações russas de carne provêm dessas regiões. O Brasil e os demais países precisam se contentar com uma cota geral de 68 mil toneladas.

A carne é o principal item da pauta de exportações brasileiras para a Rússia, respondendo por 45% das vendas para o país. Em seguida, vem o açúcar, com 40%. Até agosto, as exportações para esse país somaram 1 bilhão de dólares e as importações, 482,7 milhões. No ano passado, o comércio bilateral alcançou 2 bilhões de dólares e a meta do Brasil é elevá-lo para 6 bilhões até 2006.

Agenda da visita

O presidente Vladimir Putin desembarcou neste domingo (21/11) em Brasília, para uma visita oficial. Trata-se da primeira viagem de um presidente russo ao Brasil e a equipe de Lula deseja aproveitar a oportunidade para diversificar a pauta de exportações para o país. A Rússia tem se destacado entre os países emergentes, crescendo a taxa média de 6% ao ano desde 1998. No ano passado, enquanto o Brasil recuava 0,2%, o Produto Interno Bruto da Rússia aumentou 7% (veja reportagem de EXAME sobre a economia russa).

Entre os memorandos que devem ser assinados estão parcerias em áreas que vão desde o esporte até pesquisas espaciais, passando pela automação bancária e intercâmbio cultural. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e o Banco de Comércio Exterior da Rússia, por exemplo, assinarão acordos de cooperação para incrementar projetos de exportação e para evitar a bitributação e a evasão fiscal.

O Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil e a Agência Espacial da Rússia assinarão memorandos nas área de pesquisa espacial, especialmente para o desenvolvimento de veículos lançadores de satélites. Também será firmado um programa de cooperação científica para o período de 2004 a 2006, envolvendo biotecnologia, astrononomia, energia e outros. A partida de Putin e de sua comitiva está prevista para a tarde de hoje.

Com informações da Agência Brasil.