Bolívia pede que Argentina repudie declarações de Evo Morales

No último domingo (12), o ex-presidente Evo Morales defendeu a criação de milicias armadas na Bolívia

La Paz/Buenos Aires — O Ministério das Relações Exteriores da Bolívia pediu nesta quarta-feira ao governo da Argentina, onde o ex-presidente boliviano Evo Morales se encontra refugiado, que repudie as declarações do líder indígena, que no final de semana defendeu a criação de grupos armados de defesa no país andino.

Morales disse à Reuters no domingo que os bolivianos têm o direito de se organizar para se defender –sem armas de fogo– dos ataques do governo de seu país, o qual disse ser produto de um golpe de Estado que o obrigou a renunciar ao mandato no início de novembro.

“Pedimos ao governo argentino para repudiar as práticas de Evo Morales, incompatíveis com a lei e a ordem pública internacional”, disse a chancelaria da Bolívia em comunicado, que detalhou que a chanceler boliviana, Karen Longaric, enviou uma carta diplomática ao seu par argentino, Felipe Solá.

“Preocupa-nos que Evo Morales induza a República Argentina a infringir normas e princípios internacionais”.

A Reuters entrou em contato com a chancelaria argentina, mas um porta-voz não quis comentar o comunicado do governo boliviano e acrescentou que a Argentina não reconhece o governo da presidente interina boliviana, Jeanine Áñez.

“Estamos esperando eleições transparentes para reconhecer o próximo governo da Bolívia”, disse.

Em uma entrevista publicada no domingo no portal de notícias El Cohete a la Luna, o presidente Fernández disse que Morales, que chegou à Argentina em dezembro, tem os mesmos direitos de qualquer cidadão argentino e que seu governo não os condicionará de maneira nenhuma.