Bolívia diz que Argentina não deixará de comprar gás do país

Governo boliviano negou que vizinhos irião deixar de comprar o gás após a descoberta de grandes reservas no sul do país

La Paz – O Governo boliviano descartou nesta quarta-feira que a Argentina deixe de comprar gás natural do país após o anúncio da descoberta de grandes reservas do combustível na província de Neuquén.

O vice-presidente Álvaro García Linera assegurou em entrevista coletiva em La Paz que a descoberta de gás não convencional na Argentina “não afeta o papel que a Bolívia tem de centro energético do continente”.

Segundo Linera, a Bolívia seguirá fornecendo gás ao norte da Argentina, enquanto a reserva de Neuquén abastecerá o sul do país.

“Há um contrato entre os Governos que estabelece volumes mínimos que devem ser pagos. Isso garante uma estrutura de receita ao Estado de maneira estável nas décadas seguintes”, acrescentou.

A companhia petrolífera argentina YPF, filial da espanhola Repsol, confirmou na terça-feira o descobrimento de uma jazida de 4,5 trilhões de pés cúbicos de gás não convencional.

A descoberta amplia de 6 para 16 anos as reservas da empresa, que serão exploradas com a Vale do Rio Doce com um investimento de US$ 5 bilhões.

O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Fernando Vincenti, disse há uma semana, antes do anúncio oficial na Argentina, que o país ainda não tem possibilidade de “substituir ou de prescindir do gás boliviano”.

Vicenti explicou que os custos de exploração do gás não convencional fazem com que a descoberta não seja “competitiva” com o boliviano, pelo menos por 10 ou 15 anos.

A Bolívia prevê aumentar em 35% as exportações de gás ao mercado argentino, de 5 para 7,7 milhões de metros cúbicos diários, e em 2026 chegar a 27,7 milhões, segundo um acordo assinado pela YPFB e a estatal argentina Enarsa.