Bin Laden pode ter vivido no Paquistão por mais de sete anos

Líder permaneceu em um vilarejo por quase dois anos e meio, antes de se mudar para a cidade de Abbottabad

Paquistão – Osama bin Laden pode ter vivido no Paquistão por mais de sete anos antes de ser morto a tiros por forças norte-americanas, afirmaram neste sábado importantes autoridades de segurança paquistanesas, uma revelação que pode causar ainda mais irritação nos Estados Unidos quanto à presença de seu inimigo número um no país aliado.

Uma das viúvas de Bin Laden disse a investigadores paquistaneses que ele permaneceu em um vilarejo por quase dois anos e meio, antes de se mudar para a cidade de Abbottabad, onde foi morto na segunda-feira.

A mulher, Amal Ahmed Abdulfattah, afirmou a investigadores que Bin Laden e sua família passaram cinco anos em Abbottabad, onde uma das perseguições mais complexas e caras da história terminou.

“Amal (mulher de Bin Laden) disse a investigadores que eles viveram em um vilarejo no distrito de Haripur por quase dois anos e meio antes de se mudar para Abbottabad no final de 2005”, disse à Reuters uma das fontes de segurança, que não quis se identificar.

Abdulfattah, ao lado de outras duas viúvas e vários filhos de Bin Laden, está entre as 15 ou 16 pessoas presas por autoridades paquistanesas no complexo após a ação.

O Paquistão, que é dependente dos bilhões de dólares dados pelos EUA, está sob forte pressão para explicar como Bin Laden passou tanto tempo despercebido no país a poucas horas de carro da central de inteligência da nação, na capital Islamabad.

Há suspeitas cada vez mais fortes de que a Agência Inter-serviços de Inteligência (ISI, na sigla em inglês), que tem um longo histórico de contato com grupos militantes, possa ter ligações com Bin Laden, ou que pelo menos alguns de seus agentes tenham tido. A agência foi descrita como um Estado dentro de outro Estado.


O Paquistão descartou tais acusações e disse que pagou o preço mais alto em vidas humanas e recursos para ajudar os EUA na guerra contra os militantes, lançada depois que os seguidores de Bin Laden realizaram os ataques de 11 de setembro de 2001, em solo norte-americano.  

Autoridades de segurança disseram que o Paquistão lançou uma investigação sobre a presença de Bin Laden no país, considerada crítica para estabilizar as relações com o vizinho Afeganistão.

“É muito sério que Bin Laden tenha vivido em cidades (no Paquistão)… e não tenhamos conseguido compreender isso totalmente”, disse uma das autoridades.

Líderes paquistaneses já estavam enfrentando problemas antes das revelações de que Bin Laden morava no país, e novas dúvidas foram levantadas quanto ao comprometimento das autoridades em combater os militantes.

Em Washington, uma autoridade norte-americana disse que a inteligência dos EUA tinha fixado uma vigilância em solo em Abbottabad antes mesmo da ação. Uma ligação telefônica no ano passado, para um homem conhecido como o principal mensageiro de Bin Laden, ajudou a levar a CIA ao complexo, informou neste sábado o jornal The Washington Post.

Autoridades norte-americanas afirmaram que, entre os materiais encontrados no esconderijo de Bin Laden, estavam evidências de que a Al Qaeda planejava atacar o sistema de trens dos Estados Unidos no décimo aniversário do 11 de setembro, neste ano.