Berlusconi diz que será candidato pois eleitores necessitam

Berlusconi fez esta declaração ao um programa televisivo do canal "Rai1", que será exibido hoje mas que já teve alguns trechos divulgado

Roma – O ex-primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi disse nesta terça-feira que se apresentará como candidato de seu partido, o Povo da Liberdade (PDL), às eleições gerais de 2013 porque os italianos necessitam e ele oferece ”socorro” a quem precisa.

Berlusconi fez esta declaração ao um programa televisivo do canal ”Rai1”, que será exibido hoje mas que já teve alguns trechos divulgados.

”A situação no país que amo está se degradando e não quero que isto ocorra. Sinto o dever de não deixar que o país se degrade até cair no abismo”, afirmou o ex-primeiro-ministro.

O líder do PDL, de 76 anos, que responde a vários processos na justiça, mostrou-se otimista para alcançar uma aliança com o partido antieropeu Liga Norte, com o qual formará uma ”coalizão dos moderados”.

”O contrário seria ilógico e um desastre para a Itália e não acho que para a Liga exista outra solução que não uma aliança conosco”, disse Berlusconi.

O ex-primeiro-ministro fez referência a sua recente visita a Bruxelas, onde se reuniu com membros do Partido Popular Europeu (PPE), ao qual pertence o PDL, e onde também estava presente o atual chefe do Governo italiano, o tecnocrata Mario Monti.


”Fui eu quem sugeriu convidar Monti e que se fizesse um convite ao professor (Monti) para que ele se juntasse aos moderados”, revelou.

Berlusconi disse que a reunião serviu para dissipar os temores de seus colegas do PPE de que a esquerda possa ganhar as eleições na Itália, como apontam as pesquisas.

Sobre o atual primeiro-ministro, Berlusconi destacou que Monti conta com uma boa reputação na Europa. ”Fui eu quem o quis como comissário europeu, é uma personalidade que vem de fora da centro-direita e é um liberal”.

”Por isto, se (Monti) decidir ser candidato de todos os moderados, eu ficarei muito contente e colocaria o PDL por detrás dele”, explicou.

No entanto, o ex-primeiro-ministro disse que se Monti ficar com os centristas e não com seu bloco isto significa que ele não aglutina a totalidade da centro-direita.

Berlusconi se declarou confiante de sua popularidade entre os eleitores italianos e ressaltou que desde que voltou à arena política seu partido subiu quatro pontos.

”Tenho muito a recuperar”, disse Berlusconi, para quem seu partido se afastou dos bons resultados desde que ele saiu da cena política. EFE