Berlim classifica como séria ameaça terrorista na Alemanha

"A situação é séria. Há razões para preocupação e prevenção, mas não para o pânico e o alarmismo", afirmou ministro do Interior da Alemanha

Berlim – O ministro do Interior da Alemanha, Thomas de Maizière, classificou nesta sexta-feira como “sério” o estado de segurança do país após os atentados de Paris e as prisões de três supostos membros do Estado Islâmico (EI) em território alemão.

“A situação é séria. Há razões para preocupação e prevenção, mas não para o pânico e o alarmismo”, afirmou De Maizière em comunicado divulgado hoje.

Pouco antes, a revista “Der Spiegel” revelou que os serviços secretos alemães têm dados que indicam que os jihadistas planejaram atentados contra as estações de trens de Berlim e de Dresden, no leste do país.

As forças de segurança, acrescentou o ministro, estão tomando todas as medidas para proteger a população de forma efetiva, principalmente após os últimos atos terroristas – incluindo os da Austrália, Canadá e Bélgica.

De Maizière citou como exemplo disso as últimas prisões na Alemanha: um alemão de origem tunisiana em Wolfsburg, no centro do país, e dois turcos em Berlim. Todos são acusados de pertencer o EI e terem passagens pela Síria.

“A variedade de medidas executivas tomadas nos últimos tempos mostram que a Alemanha é uma democracia forte que combate seus inimigos com todos os meios à disposição do Estado de direito”, garantiu o ministro.

O porta-voz do Ministério do Interior, Tobias Plate, explicou hoje que a Alemanha não segue um sistema de níveis de segurança identificados por cores como em outros locais.

Porém, segundo ele, o país enfrenta um “alto risco abstrato”, já que não há indícios concretos que indiquem um ataque terrorista, algo também defendido pelas forças de segurança em recente audiência no parlamento do país.

A “Der Spiegel” afirmou hoje que os serviços secretos alemães sabem de ameaças genéricas, baseadas em relatórios sobre conversas entre “conhecidos jihadistas internacionais”.

Nos diálogos, eles citam os atentados contra as estações de trens de Berlim e Dresden.

Segundo relatórios semelhantes de vários órgãos estrangeiros aliados enviados à inteligência alemã, aponta a “Der Spiegel”, também é abordada a possibilidade de atacar as manifestações islamofóbicas dos Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente (Pegida), que a cada segunda-feira reúnem milhares de pessoas em Dresden.

A revista indica, além disso, que a presença policial foi reforçada nas estações de trens das maiores cidades da Alemanha.

Outros lugares sensíveis também ganharam mais segurança, como o centro de imprensa do governo alemão, onde é realizada a maior parte das entrevistas de ministros e porta-vozes ministeriais.