Furacão Barry retoma status de tempestade nos EUA, mas ainda preocupa

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou estado de emergência para a Louisiana na sexta-feira, liberando assistência federal contra desastre

Ainda com força equivalente a furacão, o Barry tocou o solo de Louisiana, sudeste dos EUA, no sábado e pouco depois perdeu força para se converter novamente em tormenta tropical, porém ainda com ameaça de chuvas e marés altas que podem atingir milhões de pessoas.

De acordo com o Centro Nacional de Furacões, a agora tempestade tocou o solo no começo da tarde. O diretor do órgão, Ken Graham, disse que o Barry havia acumulado uma “grande quantidade de umidade” e que chuvas eram esperadas na região durante todo o fim de semana.

As autoridades haviam emitido um alerta de furacão para a região compreendida entre Intracoastal City e Grand Isle.

Horas antes de tocar o solo, as fortes chuvas e rajadas de vento que acompanham Barry – o primeiro furacão da temporada – causaram apagões na costa dos EUA e Golfo do México.

Barry colocará a prova as obras de prevenção de inundações, feitas na região após o furacão Katrina devastar Nova Orleans há 14 anos.

A tempestade Barry foi atualizada para o status de furacão na manhã deste sábado, quando se deslocou para a Louisiana com ventos máximos sustentados de 120 km/h, e seu centro deve atravessar a costa nas próximas horas, disse o National Hurricane Center (NHC).

É o primeiro furacão do Atlântico em 2019.

A tempestade chegou perto da força do furacão por volta das 7 da manhã, hora local. Estava em vias de atingir a força dos furacões pouco antes de cruzar a costa da Louisiana, a sudoeste de Nova Orleans, informou o Serviço Nacional de Meteorologia.

Autoridades instaram os cidadãos a garantir propriedade, estocar provisões e abrigar no local. No entanto, alguns moradores nervosos optaram por fugir da cidade, e autoridades do turismo relataram um abrupto êxodo de visitantes de fora da cidade na sexta-feira.

As retiradas obrigatórias foram ordenadas em áreas costeiras periféricas além da proteção de diques nas paróquias vizinhas de Plaquemines e Jefferson, ao sul da cidade.

Chuvas já estavam atingindo a costa antes do amanhecer, e mais de 62 mil residências e empresas na Louisiana ficaram sem energia às 7h, horário local, de acordo com o site de rastreamento PowerOutage.us.

Meteorologistas alertaram que chuvas torrenciais – até 60 cm em alguns lugares – poderiam causar inundações severas à medida que a tempestade se desloca para o interior do Golfo do México, onde as operações de petróleo e gás já reduziram a produção em quase 60%.

O presidente dos EUA, Donald Trump, declarou estado de emergência para a Louisiana na sexta-feira, liberando assistência federal contra desastres, se necessário.