Bancos asiáticos reduzem depósitos em dólar, mostra BIS

"Os bancos centrais devem estar na moeda certa na hora certa", diz economista, ressalvando que, no caso do euro, é tarde para migrar, devido à forte valorização da moeda desde 2002

Bancos centrais e instituições financeiras comerciais asiáticas reduziram para 67% seus depósitos em dólar em setembro de 2004, ante 81% no terceiro trimestre de 2001. A informação consta do relatório trimestral do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), o banco central dos bancos centrais. O BIS destaca a redução na Índia, onde as posições em dólar caíram de 68% para 43% no mesmo período. No caso das instituições chinesas, a redução foi de 83% para 68%.

Segundo o BIS, há evidências de que os depósitos de bancos da região são cada vez mais denominados em moedas diferentes do dólar. Ao mesmo tempo porém, prossegue a compra de títulos do Tesouro americano por residentes de países asiáticos (um movimento fundamental para financiar o déficit americano). Somando os títulos em posse de chineses, coreanos, taiwaneses, tailandeses e indianos, detecta-se um acréscimo de 52,4 bilhões de dólares entre meados de 2003 e o final do terceiro trimestre do ano passado.

“Os bancos centrais devem estar na moeda certa na hora certa”, diz João Luiz Mascolo, professor de macroeconomia do Ibmec. Na avaliação do economista, porém, migrar especificamente para o euro neste momento não é bom negócio, pois entre abril de 2002 e dezembro de 2004 a moeda européia valorizou 50%. “Agora é tarde”, diz o economista.