Ban Ki-moon convoca liderança dos jovens

“Os jovens têm contribuído com seu talento e esforço para que alcancemos os ODMs'', disse o secretário geral da ONU

Rio de Janeiro – “Os jovens não são os líderes de amanhã, são os líderes de hoje”, disse Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU, durante a discussão Futuros Sustentáveis: Acelerando o Progresso dos ODMs – Objetivos de Desenvolvimento do Milênio pelas inovações da juventude. Ki-moon chamou os jovens de “super-heróis”, pela contribuição que deram, principalmente, quanto ao combate à pobreza.

“Os jovens têm contribuído com seu talento e esforço para que alcancemos os ODMs. Eles precisam estar no centro da construção de um futuro sustentável. Podemos combinar a tremenda influência de nossos líderes com a paixão dos jovens para criar o futuro que queremos”, afirmou.

A discussão, feita hoje no RioCentro, onde são realizadas as negociações oficiais da ONU em torno do documento O Futuro Que Queremos, foi mediada por Fabien Cousteau, cineasta marítimo neto do oceanógrafo Jacques-Yves Cousteau, para quem a juventude de hoje é mais poderosa e tem mais “fome” de agir do que a sua geração.

A força da juventude para o alcance de objetivos sustentáveis também tem a ver com tecnologia: “Essa geração de jovens é a mais poderosa da história da nossa humanidade. Conectados pela internet e por telefones celulares, os jovens hoje estão constantemente em contato uns com os outros”, disse o Nobel da Paz Muhammad Yunus, que defende a participação dos jovens, inclusive, dentro do sistema da ONU.

O economista Jeffrey Sachs, para quem os ODSs – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável seriam o resultado mais importante da Rio+20 (leia Jeffrey Sachs: ‘Se definir Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Rio+20 será histórica’), falou sobre o pioneirismo dos mais novos: “Todos os que estão aqui nesta mesa – sem contar comigo – são pioneiros. Não pediram permissão ou esperaram o governo para tomar ação. Eles inventaram uma nova maneira de fazer as coisas”, afirmou.


Para Sachs, esta precisa ser a geração do desenvolvimento sustentável, que integra metas econômicas e ambientais. “Vocês têm que agir rápido e não têm alternativa. Nós vamos ajudar vocês, eu prometo. Mas vocês terão que liderar. Temos que fazer com que os ODS se tornarem realidade”, disse.

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva contou sua história e vida e deu um conselho que aprendeu com o seringueiro e ativista Chico Mendes, quando era jovem: “para realizar ações não é preciso ter ambição, é preciso ter compromisso. O compromisso faz com que superemos o egoísmo e a ambição. Tenho certeza que se tivéssemos colocado o compromisso no lugar da ambição, nesta conferência, teríamos conseguido meios para o financiamento, a governança necessária para implementar a agenda sustentável e um documento que não estaria sendo tão criticado”, afirmou.

Também participaram da discussão as lideranças jovens:

– Ralien Bekkers, do Conselho Nacional da Juventude da Holânda, que defende a comunicação entre os jovens e os mais velhos para a solução de problemas e a construção do futuro, e
– Edinilson Ferreira dos Santos, idealizador do Projeto Jovens Lideranças Ambientais, de Santo André/SP, que capacita adolescentes para o desenvolvimento comunitário e a melhoria ambiental.