Azerbaijão ganha assento rotativo no Conselho de Segurança da ONU

Vaga foi consquistada após 16 rodadas de votação e a desistência de seu rival, Eslovênia, que retirou a candidatura para não prolongar mais a incerteza

Nações Unidas – O Azerbaijão foi eleito nesta segunda-feira, pela primeira vez em sua história, para ocupar a vaga rotativa que faltava ser definida no Conselho de Segurança da ONU, após 16 rodadas de votação e a desistência de seu rival, Eslovênia, que retirou a candidatura para não prolongar mais a incerteza.

“A Eslovênia não faz campanha contra nenhum Estado. Dada a situação, retiramos nossa candidatura e agradecemos aos países pelo apoio”, disse o ministro das Relações Exteriores esloveno, Samuel Zbogar, diante do plenário da Assembleia Geral da ONU, onde as votações para ocupar a vaga começaram na sexta-feira passada.

Após a retirada da candidatura eslovena, o Azerbaijão obteve 155 votos e 24 abstenções, indicou o presidente da Assembleia Geral da ONU, Nassir Abdulaziz al-Nasser, que na sexta-feira adiou para esta segunda a votação, já que nenhum dos candidatos conseguia a maioria de dois terços do plenário, que tem 193 Estados-membros.

Na sexta-feira passada, a Assembleia Geral decidiu outorgar assentos rotativos no Conselho para Guatemala, Marrocos, Paquistão e Togo. Com o Azerbaijão, os cinco permanecerão no órgão de segurança durante o biênio 2012-2013.


A Guatemala substituirá a partir de janeiro de 2011 o Brasil, que conclui seu mandato em 31 de dezembro deste ano. Terá sido a décima participação do Brasil como membro não permanente do Conselho de Segurança.

A Assembleia Geral renova anualmente cinco dos dez assentos não permanentes do Conselho, que se dividem por regiões geográficas entre Europa Ocidental e Outros, Europa Oriental, África, Ásia e Pacífico, e América Latina e Caribe.

A partir de janeiro, portanto, o Conselho será formado pelos cinco membros permanentes e com direito a veto – Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China – mais Colômbia, Alemanha, Índia, Portugal e África do Sul e os recém-eleitos Guatemala, Marrocos, Paquistão, Togo e Azerbaijão.