Autoridades pedem ação rápida da Grécia sobre surto de HIV

Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças disse que as infecções entre os usuários de drogas e outros grupos de alto risco estavam aumentando rapidamente

Londres – Um crescente surto de HIV na endividada Grécia poderia sair do controle, a menos que sejam tomadas medidas urgentes, informaram autoridades de saúde europeias, na sexta-feira.

O Centro Europeu de Prevenção e Controle das Doenças (ECDC, em inglês) disse que as infecções causadas pelo vírus da Aids entre os usuários de drogas e outros grupos de alto risco estavam aumentando rapidamente, e que uma omissão significaria custos muito mais elevados no futuro.

O diretor da ECDC Marc Sprenger esteve em Atenas na sexta-feira visitando hospitais e acompanhando troca de seringas. Ele disse que iria falar para as autoridades que os programas de seringas e metadona gratuitos precisam ser reforçados.

“Ação combinada imediata é necessária a fim de reduzir e, eventualmente, acabar com o surto atual”, disse ele à Reuters, quando o ECDC publicou um relatório sobre o problema com o HIV da Grécia.

Desde 2009, a recessão na Grécia reduziu a produção econômica em um quinto e bateu níveis recorde de desemprego.

O sistema de saúde está sob extrema pressão, tornando mais difícil para os pobres, desempregados ou sem-teto para conseguir tratamento.

O ECDC afirmou que não estava claro o quanto a crise da dívida da Grécia está contribuindo para o surto de HIV, mas estava evidentemente tendo “um significativo impacto social e à saúde”. Havia temores em Atenas, de que “os serviços de tratamento de HIV atingissem um limite” por causa do salto no número de casos em 2012.

Enquanto a Grécia tem apenas 7,4 infecções por HIV por 100.000 pessoas, em comparação com 10 por 100 mil na Grã-Bretanha ou 27,3 na Estônia, as taxas subiram desde 2011 em grupos de alto risco, como usuários de drogas.

De 2007 a 2010, havia apenas de 10 a 15 casos por ano de infecção pelo HIV em usuários de drogas injetáveis.

Mas durante 2011, houve 256 casos –ou 27 por cento do total. Outros 314 casos de infecção pelo HIV por uso de drogas foram notificados entre janeiro e agosto de 2012, trazendo o total de casos de HIV para o ano até agosto para 768.

Um coquetel de remédios pode dar aos pacientes com HIV uma expectativa de vida quase normal, mas os medicamentos devem ser tomados por toda a vida, e custam de 10.000 a 22.000 euros (13.000 a 28.500 dólares) por ano.