Autoridades iranianas dizem que terremoto não causou mortes

O forte terromoto de 7,5 graus na escala Ritcher sacudiu o sudeste do país nesta terça e deixou pelo menos 32 mortos no Paquistão

Teerã – As autoridades iranianas afirmaram que o forte terromoto de 7,5 graus na escala Ritcher, que sacudiu o sudeste do país nesta terça e que deixou pelo menos 32 mortos no Paquistão, não deixou vítimas mortais no Irã.

O terremoto aconteceu às 15h14 local (7h44, horário de Brasília), na província de Sista e Baluchestan, no sudeste do país, perto da fronteira com o Paquistão e Afeganistão, a 83 km de profundidade e, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, por sua sigla em inglês), e a magnitude chegou aos 7,8 graus.

Em declarações divulgadas pela agência estudantil de notícias iraniana ‘Isna’, o representante do Governo em Sistan e Baluchestan, Hatam Narui, disse que ‘felizmente o terremoto não causou nenhuma morte’, já que seu epicentro ocorreu em uma zona entre a fronteira do Irã e Paquistão onde não há moradores.

Horas antes, a agência local de notícias tinha citado o Crescente Vermelho para informar a morte de pelo menos 40 pessoas.

O representante da cidade de Saravan, Mohamad Sharif Jaleghi, afirmou que até o momento só há 6 ou 7 feridos por conta do terremoto.

O diretor do Crescente Vermelho Iraniano, Mahmoud Mozafar, informou que as equipes da organização já revisaram 25 aldeias onde ocorreram pequenos rompimentos nas paredes de algumas casas e três imóveis ficaram destruídos.

Mozafar recomendou aos habitantes da zona afetada que não passem a noite em suas casas e afirmou que o Crescente Vermelho habilitou lugares como abrigos.


Por sua vez, o diretor do Crescente Vermelho da província de Khorasan, Mohamad Rahim Shahriari, confirmou o envio de tendas de campanha, cobertores e alimentos.

O terremoto de hoje deixou pelo menos 32 mortos e 150 feridos no Paquistão após derrubar uma centena de casas em uma aldeia do sudoeste do país, informaram à Agência Efe fontes oficiais.

As vítimas mortais ocorreram na província de Baluchistão, na aldeia de Zawat, cerca de 200 quilômetros da fronteira, disse à Agência Efe Faisal-ur-Rehmán, da Autoridade Nacional de Gestão de Desastres (NDMA).

Segundo Rehmán, o número de feridos pelo terremoto é de entre 150 e 200.