Austrália devolve barco de imigrantes à Indonésia

O oficial disse que os imigrantes foram encontrados no domingo pelos habitantes da região, perto de uma praia após o naufrágio de sua embarcação

Dezenas de imigrantes foram interceptados pela Marinha australiana e reenviados às águas da Indonésia depois de terem tentado alcançar a Nova Zelândia.

Os 65 imigrantes de Bangladesh, de Mianmar e do Sri Lanka foram localizados pela Marinha australiana, indicou Hidayat, um oficial da polícia indonésia na ilha de Roti (leste do arquipélago).

“Segundo seu testemunho, foram rejeitados pela Marinha e pela Imigração australianas depois de terem sido interrogados”, disse o oficial que, como muitos indonésios, conta com apenas um nome. “Afirmaram que se dirigiam à Nova Zelândia”.

O oficial disse que os imigrantes foram encontrados no domingo pelos habitantes da região, perto de uma praia após o naufrágio de sua embarcação.

Em 2013, o governo conservador australiano de Tony Abbott lançou com a ajuda do Exército a operação “Fronteiras soberanas” com o objetivo de dissuadir os refugiados de chegar pelo mar à Austrália.

A Marinha australiana intercepta os barcos de imigrantes e os reenvia ao seu ponto de partida, normalmente a Indonésia.

Os demandantes de asilo que chegam à Austrália são colocados em campos de retenção e devem viver nestes campos, voltar aos seus países de origem ou partir ao Camboja, com quem a Austrália assinou um acordo.

Nas últimas semanas, mais de 3.500 imigrantes chegaram a Tailândia, Malásia e Indonésia. Outros ainda estariam presos em barcos superlotados no mar.

Hidayat não informou a origem destes imigrantes, entre os quais encontram-se mulheres e crianças. Os refugiados foram levados a uma delegacia de polícia, onde autoridades dos serviços de imigração devem se ocupar de cada caso, disse o oficial.

A maioria dos imigrantes do sudeste asiático é proveniente de Bangladesh fugindo da miséria de seus países e os rohingyas muçulmanos buscam escapar das perseguições das quais são vítimas em Mianmar, um país de maioria budista.