Atentado deixa mais de 20 mortos em mesquita no Paquistão

O suicida detonou seus explosivos "em meio à oração semanal, matando ao menos 20 fiéis e ferindo outros 30"

Ao menos 23 pessoas morreram em uma zona tribal do noroeste do Paquistão depois que um suicida detonou sua carga explosiva diante de uma mesquita durante a oração de sexta-feira, informaram autoridades locais.

O atentado foi registrado em Butmaina, no distrito tribal de Mohmand, uma zona fronteiriça com o Afeganistão onde o exército combate os talibãs.

O suicida detonou seus explosivos “em meio à oração semanal, matando ao menos 20 fiéis e ferindo outros 30”, segundo um funcionário de alto escalão das autoridades tribais, Naveed Akbar.

O atentado não foi reivindicado até o momento, mas os talibãs paquistaneses costumam atacar lugares pouco protegidos, como tribunais, escolas ou locais de culto.

O ataque foi condenado pelo primeiro-ministro, Nawaz Sharif, em um comunicado de seu gabinete, no qual afirma que “os covardes atentados dos terroristas não curvarão a determinação do governo em eliminar o terrorismo”.

O exército lançou em junho de 2014 uma operação para desmantelar as bases da miríade de grupos islamitas armados que operam nas zonas tribais, alimentando uma insurreição que custou a vida de milhares de civis desde 2004.

Desde então, a segurança melhorou no país. Os atentados, menos frequentes, continuam sendo sangrentos: um atentado suicida contra cristãos deixou 75 mortos no fim de semana de Páscoa em Lahore (centro), e outro contra advogados matou 73 pessoas em 8 de agosto em Quetta (sudoeste).

Estes dois atentados foram reivindicados por uma facção dos talibãs paquistaneses, Jamaat-ul-Ahrar (JuA).