Ataques no Iraque deixam pelo menos 20 mortos

Ataques registrados em diversas zonas do Iraque deixaram pelo menos 20 mortos

Bagdá – Ataques registrados em diversas zonas do Iraque, sobretudo na cidade de Mossul e sua periferia, deixaram pelo menos 20 mortos, informaram à Agência Efe fontes do Ministério do Interior.

Um atentado suicida com carro-bomba causou a morte de quatro pessoas -duas delas soldados- e deixou cinco militares feridos em um posto de controle do exército iraquiano em Al Haramat, no oeste da cidade de Mossul, a 400 quilômetros ao norte de Bagdá.

As fontes informaram ainda que um agente da polícia federal morreu e outro ficou ferido pela explosão de uma bomba na passagem de uma patrulha no mercado de Al Maash, no oeste de Mossul.

Em dois fatos similares, um policial morreu e outro ficou ferido na zona de Al Zanyali, no centro de Mossul, enquanto outro membro das forças de segurança sofreu lesões na área de Ras al Yada, no oeste.

Além disso, dois civis morreram por disparos de desconhecidos perto da zona de Al Qaiara, a 50 quilômetros ao sul de essa cidade.

Segundo as fontes, três homens armados perderam a vida em choques com as forças de segurança iraquianas na cidade de Albu Fashka, a 50 quilômetros ao sul de Mossul.

Um dos ataques mais violentos foi registrado na zona de Kanaan, próxima a Baquba, capital da província de Diyala, onde quatro civis morreram e cinco sofreram ferimentos pela explosão de uma bomba próximo do ônibus em que viajavam.

Nas localidades de Al-Meqdadiya e Bani Saad, localizadas nessa província, duas pessoas morreram e outras cinco sofreram ferimentos em um ataque cometido por um grupo armado e pela explosão de uma bomba em um carro.

Além disso, um oficial e dois soldados perderam a vida e outros dois ficaram feridos pelos disparos de desconhecidos contra a delegacia da área de Tel al Zahab, localizada na província de Salah ad-Din, ao norte da capital iraquiana.

As mesmas fontes revelaram que duas pessoas morreram em dois ataques perpetrados por desconhecidos com armas com silenciadores no sudoeste e nordeste de Bagdá.

O Iraque enfrenta um aumento da violência sectária e de atentados terroristas, que causaram no ano passado a morte de mais de 8.860 pessoas, das quais 7.818 eram civis, segundo dados das Nações Unidas.