Assessor russo acusa empresas de promover guerra com o país

Rússia decretou em agosto um embargo sobre produtos alimentares da União Europeia e dos Estados Unidos

Moscou – Um assessor do primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, acusou nesta quinta-feira a gigante americana do fast-food McDonalds e a Coca-Cola de conduzirem uma “guerra” contra a Rússia, em meio a tensões com os Estados Unidos em razão da crise ucraniana.

“O marketing agressivo, que nada tem a ver com as tradições alimentares russas, é comparável a uma operação militar contra o nosso povo”, declarou Gennady Onishchenko, ex-“médico-chefe” do país, citado pela agência pública Ria-Novosti.

Onishchenko já havia considerado a Coca-Cola e a Pepsi como “verdadeiras armas químicas”, lamentando que estas bebidas não estejam incluídas na lista de produtos afetados pelo embargo alimentar russa.

A Rússia decretou em agosto um embargo sobre produtos alimentares da União Europeia e dos Estados Unidos, que por sua vez adotaram uma série de sanções contra Moscou, acusando-o de apoio militar aos rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia.

Enquanto isso, a rede McDonalds se viu na mira das autoridades sanitárias russas, que realizaram centenas de inspeções em restaurantes da cadeia, acusando-a de “fraude contra o consumidor” e “repetidas violações” dos padrões sanitários.

Como resultado, o McDonald precisou fechar nove restaurantes em Moscou e em sua região, alguns dos quais foram posteriormente reabertos.

“Médico-chefe” da Rússia por quase 20 anos, Gennady Onishchenko, que deixou o cargo em 2013, é conhecido por ter sido o responsável pelas proibições, oficialmente lançadas por motivos de saúde, contra produtos de ex-repúblicas soviéticas com as quais Moscou mantém relações difíceis.

Desta forma, baniu em 2006 do território russo vinhos e águas minerais da Geórgia, república do Cáucaso, que etentava se aproximar do Ocidente.