Assembleia Geral da ONU abre 69ª sessão marcada por crises

Novo presidente da Assembleia, o ugandense Sam Kutesa, foi o encarregado de inaugurar oficialmente a sessão

Nações Unidas – A Assembleia Geral da ONU inaugurou nesta terça-feira sua 69ª sessão com o desafio de responder de forma urgente às várias crises que afetam o mundo e conseguir avanços em âmbitos como a mudança climática e as políticas de desenvolvimento.

“Há muitas razões para estarmos inquietos pelo estado do mundo, mas também há muitas razões para a esperança. Essa esperança começa aqui, nesta sala onde o mundo se une para resolver os desafios”, disse na abertura da sessão o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

Entre os principais problemas globais, Ban mencionou a atual “onda de intolerância” que há em muitos lugares e a existência de grupos que “se aproveitam das divisões” para “promover o ódio”.

“Esta Assembleia Geral representa a máxima rejeição a essa visão distorcida do mundo”, disse o diplomata coreano, que convocou todas as nações para que demonstrem seu compromisso de resolver juntos os problemas.

Entre outras crises, Ban fez referência à situação na Síria e no Iraque, no Mali, no Sudão do Sul e na República Centro-Africana, na Ucrânia e em Gaza, durante uma entrevista coletiva.

Entre as prioridades para este período de sessões, Ban destacou também a necessidade de ação diante da “ameaça existencial da mudança climática” e de avançar nos preparativos da nova agenda global de desenvolvimento.

O novo presidente da Assembleia, o ugandense Sam Kutesa, foi o encarregado de inaugurar oficialmente a sessão, que na próxima semana iniciará seu debate geral com a presença de mais de 140 chefes de Estado e de governo.