Assassinato de líder da política regional comove a Espanha

Morte causou comoção na Espanha, onde quase todos os jornais mostram na primeira página imagem de vários agentes em torno do corpo de Carrasco coberto com pano

A polícia espanhola interrogava nesta terça-feira uma mulher demitida da administração pública e sua mãe pelo suposto assassinato a tiros de uma líder da política regional que sacudiu a campanha eleitoral europeia no país.

Isabel Carrasco, líder do Partido Popular, que governa a província de León, foi baleada várias vezes na segunda-feira em uma ponte para pedestres desta cidade do norte da Espanha, afirmaram a polícia e várias testemunhas.

O assassinato, depois do qual os atos de campanha de segunda-feira foram suspensos, causou comoção na Espanha, onde quase todos os jornais mostram em sua primeira página a imagem de vários agentes em torno do corpo sem vida de Carrasco coberto com um pano branco.

A polícia prendeu duas suspeitas pouco depois do tiroteio: uma mulher de 35 anos, Montserrat Triana Martínez González, e sua mãe de 55 anos, Maria Montserrat González Fernández, ambas militantes do Partido Popular na região.

A jovem, filha de um inspetor-chefe da polícia local, havia perdido em 2011 sua vaga de interina na Câmara dos Vereadores de Léon, que era presidido por Carrasco, explicou uma fonte da Prefeitura de León.

Além de perder seu emprego, a Câmara exigia 12.000 euros que a jovem teria furtado.

“Durante estes anos, houve uma série de julgamentos que no fim foram vencidos pela Câmara”, disse essa fonte.

“A jovem teve que devolver o dinheiro, e isso parece ter causado sérios problemas econômicos a ela”, acrescentou.

A polícia está procurando a arma do crime no rio Bernesga, que passa por baixo da ponte onde Carrasco foi assassinada, informou uma fonte policial.

Até o momento, as duas detidas se negaram a dar declarações e podem ser apresentadas à justiça nos próximos dias.

Poderosa e com caráter

As homenagens à falecida, uma personalidade importante na política local, tiveram início com a abertura da capela ardente na Câmara dos Vereadores de León.

Na entrada da sede administrativa, vários familiares choravam enquanto o caixão entrava no edifício. Entre os presentes estava o chefe de governo Mariano Rajoy.

“É um ato cruel, inútil e absurdo”, declarou Rajoy em León, definindo Carrasco como uma mulher “competente, trabalhadora, inteligente e tenaz que dedicou sua vida à política”.

A região de Castilla e León decretou três dias de luto, enquanto as administrações públicas espanholas respeitaram um minuto de silêncio em sua memória ao meio-dia.

Presidente da Câmara de Vereadores de León e líder provincial do partido, Carrasco tinha uma personalidade forte e muito poder na política regional.

Sua figura, no entanto, também provocava controvérsia. Ela protagonizou várias polêmicas, aumentando salários em plena crise espanhola e acumulando muitos cargos de direção em várias empresas e instituições ligadas ao setor público.

O assassinato ocorre em um momento de mal-estar generalizado na classe política, vista por muitos cidadãos como a origem da crise econômica e social atravessada pelo país.