Argentina confirma que morte do promotor Nisman foi um homicídio

O promotor Alberto Nisman foi morto em 2015 quatro dias depois de acusar a então presidente Cristina Kirchner de acobertar supostos terroristas

Buenos Aires – A Câmara Federal da Argentina confirmou nesta sexta-feira que a morte do promotor Alberto Nisman, em janeiro de 2015, quatro dias depois de acusar a então presidente, Cristina Kirchner, de acobertar supostos terroristas, se tratou de um homicídio e não um suicídio, informaram fontes jurídicas.

“Procede encomendar aos magistrados a cargo da investigação o sustentado avanço do curso instrutório visando à completa e cabal determinação dos responsáveis pelo homicídio de Natalio Alberto Nisman, com a rapidez e seriedade que tão grave fato impõe”, afirmou o alto tribunal em uma resolução.

Para tentar determinar se foi um suicídio ou um homicídio, já no ano passado a promotoria encarregou uma junta de peritos de realizar uma reconstituição do momento da morte do promotor, na qual se estabeleceu que duas pessoas espancaram, drogaram com cetamina e assassinaram Nisman em sua casa.

O promotor era o responsável por investigar o atentado contra a associação mutual judaica AMIA de Buenos Aires em 1994, que deixou 85 mortos.