Argentina condena quatro militares por crimes na ditadura

Os quatro integrantes do Exército foram condenados à prisão perpétua

Buenos Aires – Quatro integrantes do Exército foram condenados nesta terça-feira à prisão perpétua em um julgamento por crimes cometidos durante a última ditadura argentina (1976/83), informou o ministério da Justiça.

“O Tribunal Oral Federal de Bahía Blanca (680 km ao sul de Buenos Aires) condenou à prisão perpétua quatro integrantes do Exército”, revelou a agência Infojus, ligada ao ministério da Justiça.

Outros três militares receberam penas de onze anos, quatro anos e três meses, e três anos e cinco meses de prisão.

O grupo era acusado de homicídio, privação ilegal de liberdade e tortura envolvendo mais de 100 vítimas da ditadura. Também respondia pelo sequestro de bebês nascidos no cativeiro no centro de detenção clandestino conhecido como “La Escuelita”.

O tribunal determinou que as penas sejam cumpridas em prisões comuns e pediu a baixa dos militares condenados.

Desde 2007 e até junho passado, um total de 427 réus – a maioria militares – foram condenados por violações dos direitos humanos durante o regime militar, segundo a Procuradoria de Crimes Contra a Humanidade.

Ao menos 30 mil pessoas desapareceram durante o regime militar e cerca de 500 bebês nascidos em cativeiro foram roubados, segundo os organismos de defesa dos direitos humanos.