Em sua pior crise, Shinzo Abe vê aprovação desabar para 39%

Apoio ao premiê do Japão cai à medida que um aumento das suspeitas a respeito do suposto acobertamento de um caso de nepotismo atinge seu governo

Tóquio – O índice de aprovação do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, caiu 9,4 pontos, para 39,3 por cento, mostrou uma pesquisa da agência de notícias Jiji, à medida que um aumento das suspeitas a respeito do suposto acobertamento de um caso de nepotismo atinge seu governo, na pior crise para o premiê desde sua posse.

Abe e o ministro das Finanças, Taro Aso, de 77 anos, estão sob pressão desde que o Ministério das Finanças admitiu na segunda-feira que alterou registros relacionados à venda de um terreno estatal com um grande desconto a um administrador escolar ligado à esposa do premiê.

Abe e Aso negaram qualquer irregularidade.

Os dois partidos da oposição estão pedindo a renúncia de Aso, e o caso pode acabar com as esperanças de Abe de conquistar um terceiro mandato como líder do Partido Liberal Democrata em uma eleição que renovará a liderança partidária em setembro. Abe tomou posse em dezembro de 2012.

“Acredito que está ficando mais claro que foi feita uma falsificação para apagar quaisquer vestígios de documentos que levem à senhora Akie Abe,” disse Kotaro Tatsumi, parlamentar do Partido Comunista Japonês, em um comitê parlamentar.

A aprovação de Abe é inferior aos 40,4 por cento de sua taxa de rejeição, a primeira vez desde outubro que seu apoio fica abaixo do nível daqueles que não o apoiam, de acordo com a pesquisa, publicada nesta sexta-feira.

Mais de 25 por cento daqueles que rejeitaram Abe na sondagem da Jiji, realizada entre 9 e 12 de março, citaram a falta de confiança no premiê como motivo.