Apreendidas mais de 30 mil garrafas de vinho falsificadas

Investigação foi aberta após diversas queixas de consumidores sobre a baixa qualidade de vinhos conhecidos por seu grande valor

A polícia italiana apreendeu mais de 30.000 garrafas de grandes vinhos falsas, em uma investigação de fraude gigantesca, na qual seis pessoas foram detidas, informou nesta sexta-feira a imprensa italiana.

Após as diversas queixas de consumidores sobre a baixa qualidade de vinhos conhecidos por seu grande valor, a procuradoria de Siena (Toscana) decidiu abrir uma investigação em março.

As unidades especializadas da polícia descobriram uma grande fraude: as garrafas de grandes vinhos toscanos com denominação de origem como o Brunello di Montalcino, o Sagrantino di Motefalco ou el Chianti eram enchidas com vinhos de mesa de um euro.

Estas garrafas, com os rótulos fielmente reproduzidos, embora com o nome de falsos produtores, eram vendidas a mais de 30 euros a unidade em muitas lojas especializadas, em supermercados e na internet.

Os policiais realizaram cerca de 25 incursões para esclarecer esta fraude, um golpe para a indústria vinícola italiana, um dos estandartes da economia do país.

Em 2013 as exportações de vinho cresceram 10% em relação ao ano anterior, segundo Coldiretti, uma das maiores federações de cultivadores e produtores da Itália.

Andrea Bocelli, o tenor italiano, proprietário de vinícolas na região de Pisa (Toscana), é um dos produtores atingidos por esta fraude, que chega a centenas de milhares de euros, segundo Coldiretti.

Nos últimos cinco anos, as fraudes aumentaram 102% na Itália, segundo a federação de agricultores. Apenas em 2013 as forças de ordem italianas apreenderam garrafas falsas no valor de 31 milhões de euros.