Após o histórico encontro, o que acontece agora?

O documento assinado pelos dois líderes levantou uma série de dúvidas entre analistas internacionais sobre os próximos passos da desnuclearização

O histórico encontro entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, foi um sucesso, pelo menos na visão do governo americano. Os dois países se comprometeram a trabalhar para uma desnuclearização total na península coreana. Trump e Kim sentaram lado a lado, sorridentes, para apresentar o documento à imprensa depois de uma série de reuniões entre os líderes e seus representantes, durante toda a terça-feira em Singapura.

Mas o documento, por demais genérico, levantou uma série de dúvidas entre analistas internacionais sobre os próximos passos do processo de desnuclearização. Em entrevista coletiva após o encontro, o próprio presidente Donald Trump afirmou que o encontro foi o início de uma “negociação”.

“A minha vida toda fiz negócios, e meu instinto diz quando as pessoas querem, e quando não querem, fazer negócio. E a Coreia do Norte queria fazer um negócio. Mas só teremos certeza do resultado em breve, com a continuação das conversas”, afirmou. “Mas todos sabem que cientificamente leva muito tempo para uma desnuclearização completa”.

A entrevista de Trump aumentou a gama de indefinições sobre o acordo. O presidente afirmou que manterá as sanções econômicas contra a Coreia do Norte, mas que espera retirá-las “em algum momento”.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Trump ainda se comprometeu a encerrar desde já os exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, chamados por ele de “War Games”, duratemente criticados por Kim. Os exercícios nucleares com a Coreia do Sul custam uma enorme quantidade de dinheiro, e nós pagamos a maior parte da fatia. Eram caros e eu não gostava deles.

“Trump havia dito que não daríamos nada a Kim, mas já demos algo que é muito importante para nossa aliança com os sul-coreanos. Eles estão de acordo?”, questionou Josehp Yun, analista internacional da CNN.

Outra questão em aberto diz respeito à desnuclearização “da península”, o que incluiria a Coreia do Sul, país que já teve armas nucleares e cuja população pressionava por novas instalações como resposta às ameaças do norte.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, afirmou que não havia dormido por ansiedade para a cúpula, e se emocionou vendo o encontro pela TV. Após a declaração de Trump, o governo sul-coreano divulgou um comunicado afirmando que precisa “entender o real significado e as reais intenções” do presidente americano.

Quando questionado sobre por que desta vez o acordo não será mais um pedaço de papel desrespeitado, Trump disse apenas que sua administração é diferente das anteriores.

Passada a comoção, agora é hora, como dizem os americanos, dos “specifics”.