Apec sugere corte drástico nas tarifas comerciais

Países em desenvolvimento concordam, desde que as principais economias reduzam as barreiras agrícolas

A reunião do Conselho Econômico da Ásia-Pacífico, que aconteceu nesta sexta-feira (3/6), na Coréia do Sul, não escapou à velha batalha entre países ricos e os em desenvolvimento, entre eles o Brasil.

Os 21 membros da Apec, que inclui alguns emergentes, como Chile e Tailândia, e também os industrializados, entre eles Estados Unidos e Austrália, concordaram que os principais mercados do mundo deveriam acelerar o processo de corte das barreiras ao comércio global de bens. A “fórmula Suíça”, como é conhecida, sugere que os países reduzam drasticamente suas alíquotas.

De acordo com o jornal Financial Times, a proposta coloca a Apec em rota de colisão com países emergentes, sobretudo Brasil, Índia e Argentina.

Logo após a reunião, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que o Brasil está preparado para negociar, desde que os países ricos façam concessões no setor de agricultura.

O encontro de hoje também serviu de palco para acusações mútuas de protecionismo entre Estados Unidos e China, que têm tido dificuldades para entrar em um acordo na questão dos produtos têxteis.