Queimada causou apagão no Nordeste

De acordo com a ONS, uma queimada em uma fazenda levou ao desligamento de duas linhas de transmissão privadas no Piauí, deixando o Nordeste no escuro – de novo

São Paulo –  Uma queimada iniciada em uma fazenda do Piaui é a causa do apagão que atingiu todo o Nordeste, na tarde desta quarta-feira. Com o incidente, duas linhas de transmissão privadas foram desligadas, ocasionando o blecaute de grandes proporções na região, o segundo em menos de um ano.

Em nota, o Operador Nacional do Sistema Elétrico diz que devido ao foco de calor, às 14h58, ocorreu o desligamento da primeira linha de transmissão (Ribeiro Gonçalves, em São João do Piauí), pertencente à empresa espanhola Ienne, controlada pela Isolux.

Pouco tempo depois, às 15h08, também devido à queimada, foi desligada a segunda linha Ribeiro Gonçalves – São João do Piauí, da Taesa, empresa controlada pela Cemig.

O desligamento das duas linhas, segundo a ONS, “configurou uma contingência dupla, que conduziu à perda de sincronismo e consequente separação da região Nordeste do restante do Sistema Interligado Nacional (SIN)”.

Houve a perda de carga de aproximadamente 10.900 MW, com o desligamento adicional das seguintes linhas de 500 kV de interligação do SIN com a região Nordeste.

Segundo a ONS, o restabelecimento do serviço na região Nordeste estava praticamente concluído às 17h30.

16 milhões no escuro

O mega blecaute, iniciado pouco depois das 15h desta quarta-feira, atingiu oito estados: Pernambuco, Ceará, Sergipe, Bahia, Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba e Alagoas. Cerca de 16 milhões de pessoas ficaram no escuro.

Ao constatarem a falta de luz, vários internautas começaram a relatar o problema nas redes sociais, como o Twiiter, onde o novo apagão virou motivo de piada entre os internautas. Um dos internautas comparou o novo apagão no Nordeste ao Natal, “que acontece todo ano”.

Em outubro de 2012, um apagão deixou na escuridão 100% do Nordeste e 77% dos estados do Tocantins e Pará na madrugada, o quarto de uma série de apagões registrados em menos de 35 dias naquele ano.