Ao menos 4 pessoas morrem em atentados em diferentes pontos de Cabul

Duas explosões em Cabul mataram pelo menos dois policiais e dois insurgentes em distritos policiais e outras seis pessoas ficaram feridas

Cabul – Pelo menos dois policiais e dois insurgentes morreram em duas explosões nesta quarta-feira nos distritos policiais 10 e 13 de Cabul, a capital do Afeganistão, enquanto outras seis pessoas ficaram feridas, informaram à Agência Efe fontes oficiais.

O primeiro ataque, que começou com uma explosão seguida de um tiroteio contra uma delegacia, foi registrado por volta das 11h30 locais (4h em Brasília) no distrito de número 13 e terminou “após várias horas de enfrentamentos entre as forças de segurança e os agressores”, confirmou o secretário do chefe da polícia de Cabul, Maiwand Ahmadzai.

O porta-voz da polícia da capital, Hashmat Stanekzai, disse que a ação resultou na morte de dois policiais e de dois agressores.

Além disso, uma segunda explosão aconteceu em Shahr-e-Naw, no distrito policial de número 10, indicou Stanekzai.

“Em Shahr-e-Naw, a operação está em andamento, esperamos que a polícia consiga liberar a área em breve”, assinalou o porta-voz policial, ao detalhar que as autoridades acreditam que o edifício em que os insurgentes se entrincheiraram é uma propriedade privada e que a área foi isolada pelas forças de segurança.

O porta-voz do Ministério de Saúde Pública do Afeganistão, Wahidullah Majroh, disse à Efe que seis pessoas foram hospitalizadas na cidade após as duas explosões, sem fornecer detalhes sobre em qual dos dois atentados ocorreram as vítimas.

Cabul foi cenário de vários ataques suicidas neste ano, o último na segunda-feira 30 de abril, quando 25 pessoas, entre elas dez jornalistas, morreram em um duplo atentado.

Há três semanas, um ataque suicida contra um cartório eleitoral no oeste de Cabul, reivindicado pelo EI, deixou 69 mortos e feriu cerca de 120 pessoas.

No ataque mais grave deste ano, registrado em janeiro, os talibãs utilizaram uma ambulância-bomba que foi detonada em plena rua em um bairro do centro de Cabul, matando mais de 100 pessoas.

O Afeganistão vive um de seus períodos mais violentos desde o fim da missão de combate da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em janeiro de 2015.