Angra 3 retoma processo de licitação de serviços de montagem

Obras civis da usina nuclear estão com 47% da execução concluída, em que a Eletronuclear dá prosseguimento à última fase de contratação de serviços de montagem

São Paulo – As obras civis da usina nuclear Angra 3 estão com 47 por cento da execução concluída, no momento em que a Eletronuclear dá prosseguimento à última fase para contratação do serviço de montagem eletromecânica da usina.

Os dois consórcios que passaram pela fase de pré-qualificação para executar o serviço tem até o dia 4 de julho para entregar documentação de habilitação preliminar e das propostas comerciais, informou a Eletronuclear, empresa do grupo Eletrobras.

O processo de licitação, que começou em agosto de 2011, chegou a ser interrompido depois que o consórcio desclassificado questionou a fase de pré-qualificação. No final do ano passado, a Eletronuclear teve o aval do Tribunal de Contas da União (TCU) para prosseguir com o processo.

“Os recursos interpostos na licitação da montagem poderão causar alterações nos prazos da obra. Uma avaliação do cronograma está sendo feita para verificar se haverá impacto no início de operação de Angra 3”, informou a Eletronuclear, em nota. Atualmente, a previsão é que a usina comece a operar em 2016.

Seguem na disputa pela montagem eletromecânica os consórcios UNA 3 (Andrade Gutierrez, Norberto Odebrecht, Camargo Correa e UTC Engenharia) e Angra 3 (Queiroz Galvão, EBE e Techint).

Dois contratos fazem parte da montagem eletromecânica. Um cobrirá as atividades da área nuclear, no valor de 1,31 bilhão de reais, e outro para sistemas convencionais da usina, no valor de 1,67 bilhão.

Quando estiver pronta, Angra 3 terá 1.405 megawatts (MW) de potência instalada.